Liminar

Show em Caruaru continua na agenda de Safadão; produtora não foi notificada

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 22/06/2016 às 13:51
NOTÍCIA
Leitura:

De acordo com a produtora, o show previsto para o sábado (25) continua na agenda do cantor
Foto: acervo pessoal/Facebook
Responsável em gerenciar a carreira do músico Wesley Safadão, a empresa Luan Promoções e Eventos informou que ainda não recebeu nenhuma notificação da Justiça ou da Prefeitura de Caruaru sobre a suspensão do show do músico no São João da cidade, que fica no Agreste pernambucano. De acordo com a produtora, o show previsto para o próximo sábado (25) continua na agenda oficial do cantor.

Nesta quarta-feira (22), o juiz José Fernando de Souza concedeu liminar nesta suspendendo o show. De acordo com a decisão, a prefeitura do município e a Fundação de Cultura estão intimadas para tomar conhecimento e contestar a decisão do juiz, que ocorreu após a polêmica em torno do cachê recebido pelo artista para se apresentar no município (entenda o caso).



A 1ª Vara da Fazenda Pública informou ainda que o fórum só funciona até as 18h desta quarta-feira (22) e que a prefeitura deve agravar a liminar para que ela possa ir ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). O juiz informou que a prefeitura será multada em R$ 100 mil por dia caso descumpra a decisão. A ação foi movida pelos advogados Dimitre Bezerra, Marcelo Rodrigues e Ewerton Bezerra.


{ENQUETE voce-acha-que-o-cache-de-wesley-safadao-e-justo}
POLÊMICA DO CACHÊ
- Previsto para o próximo sábado (25), o show de Wesley Safadão custou R$ 575 mil. O valor foi divulgado pela Prefeitura de Caruaru no portal da transparência. O preço do show causou polêmica, principalmente após a revelação de que o mesmo show do artista em Campina Grande, na Paraíba, marcado para 1º de julho, custará R$ 195 mil - o que representa uma diferença de cachê de 294%. Após a divulgação dos valores, o prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), foi notificado pelo Ministério Público Federal (MPF), pelo Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE) e pelo Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO).

Mais Lidas