INFRAESTRUTURA

Palmares adia aulas em 63 escolas

Jornal do Commercio
Jornal do Commercio
Publicado em 24/07/2010 às 15:01
NOTÍCIA
Leitura:

O reinício do ano letivo em 63 escolas de Palmares (nove estaduais e 54 municipais), na Zona da Mata Sul, foi adiado para 2 de agosto. A previsão era que as aulas começassem na próxima segunda-feira. As Secretarias de Educação do Estado e do município de Palmares decidiram prorrogar a retomada das atividades em uma semana porque não deu tempo de organizar as unidades de ensino para receber os estudantes depois de amanhã.

Outras cinco escolas estaduais da Zona da Mata (duas em Gameleira, uma em Catende, uma em Jaqueira e uma em Amaraji) terão aulas a partir de segunda-feira. Em mais 14 colégios do Estado, o segundo semestre letivo será retomado entre terça e sexta-feira (dois em Água Preta, dois em Catende, cinco em Barreiros e um em cada uma das cidades de Cortês, Maraial, Primavera, Belém de Maria e Ribeirão).

“O adiamento foi necessário porque estamos trabalhando na limpeza dos prédios, organizando a distribuição dos materiais didáticos e da merenda escolar. Também contratando mais ônibus para o transporte escolar e organizando os novos espaços onde funcionarão provisoriamente as escolas que foram destruídas”, explica a secretária-executiva de Gestão de Rede, Margareth Zaponi.

“Por mais que tenhamos corrido para deixar tudo pronto, não deu tempo. Há sete escolas municipais, sendo três na zona urbana e quatro na área rural, funcionando como abrigo. Temos que esperar as famílias encontrarem outro lugar para podermos retomar as aulas”, diz o o secretário de Educação de Palmares, Flávio Miranda.

A rede municipal de Palmares tem 9.830 alunos. “Temos três escolas destruídas. Outras sete necessitam de reparos, que estão sendo concluídos. Preferimos não ter dois calendários diferentes, por isso o adiamento das aulas foi para toda a rede municipal”, justificou Flávio Miranda. Alunos das Escolas Municipais Fernando Augusto Pinto Ribeiro e Jaime de Castro Montenegro, totalmente destruídas, vão estudar na Faculdade Famasul. Os da Escola Telma Leandro de Souza, também bastante danificada, ficarão no prédio da Ação Social Paróquia de Palmares.

Na rede estadual, pelo menos três colégios terão aulas em locais diferentes. A Escola Fraternidade Palmarense será instalada na Famasul, a Maquinista Amaro Monteiro funcionará na Escola Professora Galtemir Lins e em mais dois anexos (nos distritos de Serro Azul e Santo Antônio), e a Pedro Afonso de Medeiros terá como endereço provisório a Faculdade Esuda. Das 199 escolas estaduais nos 42 municípios afetados pelas chuvas, 166 retomaram as atividades segunda-feira passada.

RECURSOS - O governo federal ainda não repassou os R$ 110 milhões prometidos pelo Ministério da Educação (MEC) para reconstrução e reforma das escolas pernambucanas. Ontem, havia o indicativo de que a medida provisória que autoriza a liberação do dinheiro seria publicada no Diário Oficial da União de hoje. Se isso ocorrer, a verba deve chegar na conta do governo estadual nos próximos dias. Caberá ao Estado gerenciar e prestar contas desses recursos.

Mais Lidas