Balanço de democracia

Por Igor Maciel
Por Igor Maciel
Publicado em 14/10/2010 às 12:01
NOTÍCIA
Leitura:

Em Caruaru iniciamos um trabalho que nunca havia sido feito por uma televisão local. Todo mês, acompanhamos os projetos aprovados, as discussões, os requerimentos na Câmara Municipal. E em uma reportagem publicamos tudo, incluindo as faltas dos vereadores. É o balanço da câmara.

LEIA MAIS
Câmara de Vereadores: população reclama, mas não participa

Não é nenhuma novidade na história do jornalismo. Ainda nos anos 90 a Rádio CBN iniciou em São Paulo um trabalho inovador que causou repercussão nacional. Todo dia, uma repórter passava pela assembleia legislativa e narrava, ao vivo, o nome dos deputados que não estavam trabalhando, os que estavam ausentes e os que até estavam no local, mas não prestavam atenção ao que era discutido.

Houve protestos dos políticos lá na época, mas o trabalho continuou. Tentaram dificultar a entrada da repórter na casa uma vez. A polícia foi chamada pela emissora, o Ministério Público foi acionado. E os deputados foram obrigados a aceitar.

Hoje, várias empresas jornalísticas fazem isso. O resultado foi um aumento no número de projetos apresentados, diminuição das faltas dos parlamentares e maior acesso do povo ao que é do povo.

Em Caruaru também houve resistência, ainda há. Mas nunca foi preciso chamar polícia, nem Ministério Público. Os vereadores fazem careta, mas conhecem as leis. A Constituição garante pleno acesso à imprensa em questões públicas. Está no artigo quinto da Carta Magna, no princípio da publicidade, pra quem quiser pesquisar.

No fim, os vereadores de Caruaru vão acabar entendendo que é até mais cômodo não fazer nada e não ser fiscalizado. Mas trabalhar bem e ter publicidade é muito melhor. Traz mais votos. Quem não trabalhar bem, infelizmente, vai sendo substituído. Isso sim é democracia.

Nesse mês de Setembro, em Caruaru, tivemos bons projetos aprovados e poucas faltas. Sempre têm alguns absurdos, como um requerimento feito por um vereador da cidade ao prefeito de Caruaru para isentar taxas do governo do Estado cobradas dos cidadãos da Mata Sul. Esquizofrenia processual, política e geográfica.

O autor, Adolfo José (PDT), amenizou o erro, transformou o requerimento em indicação, direcionando ao governador do Estado. Mas manteve o conteúdo. Só não dá pra entender porque ele achou que sendo vereador de Caruaru, precisava pedir isenção de taxas para moradores de Palmares, Água Preta e outras cidades atingidas pelas chuvas de junho. Falta de problemas pra resolver na própria cidade não foi. Confundiu o próprio cargo?

Teve também o vereador que não apresentou nenhum requerimento. Justificou dizendo ser alvo de discriminação por ser oposição. Por isso não teria nenhum pedido acatado pelo prefeito. Preferiu não perder tempo. Trata-se de Diogo Cantarelli (PSDB).

Ser oposição não é castigo. Quem votou, votou para que ele fizesse oposição. Ele deveria cumprir esse papel e não se acanhar diante das dificuldades. Existem votos a serem honrados.

Entre os bons projetos, destaque para a criação do STPP. A iniciativa foi do poder executivo e a lei foi enviada para discussão e votação dos representantes do povo. O Sistema de Transporte Público de Passageiros vai planejar e disciplinar o fluxo e o oferecimento de linhas de ônibus em Caruaru. O péssimo serviço de transporte público na cidade certamente será melhorado.

Ou pelo menos o cidadão vai ter algum lugar pra reclamar. Do jeito que é atualmente, o serviço de ônibus precisa melhorar muito pra ficar razoável. É caro, confuso e desconfortável.

Outro projeto também do executivo, discutido e aprovado na casa, cria um cartão de crédito para os trabalhadores da prefeitura. Iniciativa boa para a economia da cidade e para os funcionários.

Projetos desse tipo nos fazem acreditar que é possível dar força à democracia divulgando o trabalho da classe política, valorizando o que é bom para o povo e criticando aquilo que não tem lógica.

O número de faltas também diminuiu consideravelmente desde que iniciamos o trabalho no ano passado. Por mês, havia em torno de 15 faltas dos vereadores. Hoje, juntos, os registros ficam entre 5 e 8 faltas. Eles estão trabalhando mais. O número de requerimentos também cresceu. E os edis tem maior cuidado com o conteúdo do que apresentam.

É bom para Caruaru, é bom para o povo, é bom para a biografia dos vereadores. Pra quem se preocupa com a própria biografia, pelo menos.

Para quem quiser acompanhar, o balanço da câmara é exibido uma vez por mês, no TV Jornal Notícias, às 19h e no programa O Povo na TV, às 12h20.

Mais Lidas