RECONSTRUÇÃO

Mutirão de voluntários vai reconstruir cidades

Do Jornal do Commercio
Do Jornal do Commercio
Publicado em 27/10/2010 às 11:29
NOTÍCIA
Leitura:

Exército formado por dez mil voluntários inicia na próxima semana um mutirão para reconstrução dos 41 municípios pernambucanos atingidos pelas chuvas do último mês de junho. Todos fazem parte de famílias que perderam seus pertences nas inundações, identificadas e cadastradas pelo governo do Estado. Até 22 de dezembro deste ano, eles executarão tarefas de varrição, jardinagem, capinação, lavagem e pintura de prédios nas suas cidades de origem.

As frentes de trabalho são organizadas pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Estado, que investe mais de R$ 5 milhões na operação. De acordo com o secretário de Desenvolvimento e Assistência Social, Acácio de Carvalho, o dinheiro é usado na compra de fardamento, equipamento de proteção individual, ferramenta, lanche e transporte.

“Para movimentar a economia local, adquirimos os produtos na própria região. Os lanches, por exemplo, serão fornecidos por pessoas dos municípios, autorizadas pela Vigilância Sanitária”, diz o secretário. O governo cadastrou 15 mil famílias que tiveram suas casas destruídas, total ou parcialmente, nas 41 cidades. Elas recebem auxílio-moradia no valor de R$ 150 mensais. Dez mil famílias indicaram os voluntários.

Acácio de Carvalho informa que só é permitido um voluntário por família. Nesse caso, além do auxílio-moradia há um acréscimo de R$ 360 do auxílio-reconstrução, passando o benefício para R$ 510 mensais. “Na verdade, estamos organizando um trabalho que já vem sendo realizado nas cidades. As atividades serão executadas até o encerramento da situação de emergência e do estado de calamidade”, afirma. O pagamento é feito com base na lei do voluntariado.

Cada frente de trabalho é composta de 25 a 30 pessoas, capacitadas pelo governo. Elas recebem esta semana os materiais para pintar escolas, varrer praças, recompor jardins em áreas públicas e capinar ruas, entre outras ações. A dona de casa Francilônia Maria Azevedo de Souza, 39 anos, moradora de Barreiros, na Zona da Mata Sul, já ganhou o fardamento e está pronta para desempenhar as funções.

“Estou no grupo que vai pintar prédios com cal. Nunca caiei uma casa, mas não tem problema, a gente aprende na hora”, conta Francilônia, por telefone. Ela mora às margens do Rio Una e perdeu tudo o que tinha na enchente. A casa onde vive com o casal de filhos teve as paredes rachadas e ficou sem portas. “Começamos a fazer os consertos com esse dinheiro abençoado”, diz a voluntária.

As pessoas que declararam interesse em ajudar na reconstrução das cidades, no ato do cadastramento, e ainda não fizeram a adesão ao serviço voluntário, têm até 30 de outubro para confirmar a participação com a equipe de assistência social da Operação Reconstrução dos municípios.

As chuvas deixaram estragos nas cidades pernambucanas de Agrestina, Água Preta, Altinho, Amaraji, Barra de Guabiraba, Barreiros, Belém de Maria, Bezerros, Bom Conselho, Bonito, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Catende, Chã Grande, Correntes, Cortês, Escada, Gameleira, Gravatá, Ipojuca, Jaqueira, Joaquim Nabuco, Maraial, Moreno, Nazaré da Mata, Palmares, Palmeirina, Pombos, Primavera, Quipapá, Ribeirão, São Benedito do Sul, São Joaquim do Monte, Sirinhaém, Tamandaré, Vicência, Vitória de Santo Antão, Xexéu, Cachoeirinha, Caetés e Jurema.

Mais Lidas