Quando será que o Brasil terá outro campeão mundial de F1?

NOTÍCIA
Leitura:

Neste fim de semana de GP do Brasil de Fórmula 1 vimos uma disputa acirrada entre cinco pilotos pelo título da competição. Um era australiano, outro espanhol, tinha também um alemão e dois ingleses. Ué, e cadê os brasileiros? O melhor colocado chegou bem longe dos pontos.

Nas duas temporadas anteriores a esta mesma altura do campeonato pelo menos um piloto brasuca ainda sonhava com a conquista. Em 2008, Massa venceu a corrida, mas perdeu o campeonato para Hamilton por apenas um ponto. No ano passado Barrichello ainda lutava para chegar em primeiro na tabela, mas sucumbiu à sorte de Button. Mais uma tentativa frustrada de um brasileiro voltar a ganhar a F1.

A última vez que isso aconteceu muitos de vocês leitores não eram nem nascidos ainda. Foi no já longínquo 1991. Ayrton Senna ganhava no Japão pela terceira e última vez o campeonato mundial. No ano seguinte ele viria a perder a vida no mesmo esporte que amava. Antes Senna conquistou também o caneco em 1988 e 1990. Nelson Piquet também foi tri: 1981, 1983 e 1987. E Emerson Fittipaldi foi campeão em 1972 e 1974. Aliás ele foi o primeiro brasileiro a ganhar uma corrida de Fórmula 1 há 40 anos.

Como se vê o nosso país tem tradição de grandes pilotos, mas desde 1994 há essa busca frenética pelo “novo” Senna que nos trará de volta a condição de melhor piloto do mundo. Rubens Barrichello era um deles. O cara possui o maior número de corridas na categoria, mas nada de título. O mesmo se diz de Felipe Massa que este ano não fez um bom campeonato e viu o companheiro de equipe Fernando Alonso brigar pelo título.

Qual seria a aposta então para as próximas temporadas? Se fosse só pelo nome o sobrinho de Senna, Bruno, estaria bem cotado. Mas, para isso precisa de experiência e uma equipe decente que lhe dê as mínimas condições de competir.

É esperar para ver se a sorte irá nos sorrir novamente com um grande talento no cockpit e que nos devolva aquela alegria há muito perdida nas manhãs de domingo.

Mais Lidas