POLÊMICA

Casas para ex-moradores de Serra dos Cavalos ainda não saiu do papel

Do JC Online do JC Online
Do JC Online
do JC Online
Publicado em 25/11/2010 às 8:52
Leitura:

Quase uma semana depois da retirada de nove famílias que viviam em Serra dos Cavalos, em Caruaru, Agreste de Pernambuco, a reclamação por parte dos ex-moradores ainda é grande. A maioria, que antes ganhava dinheiro vendendo o que plantava, agora está sobrevivendo somente com o salário mínimo oferecido pela prefeitura. As casas prometidas para eles ainda nem começaram a ser construídas e nas residências alugadas eles não tem como plantar.

Muitos agora estão vivendo na Vila do Murici, na zona rural de Caruaru. Uma das ex-moradoras do local, Margarida Ferreira, conseguiu alugar uma casa e a despesa dela aumentou mas a renda diminuiu, tudo porque ela não tem a terra para cultivar. A agricultora  está vivendo com os oito filhos apenas com o dinheiro doado pela prefeitura. “A nossa vida está complicada porque agora tem o aluguel e eu não tenho mas como trabalhar, quando o dinheiro acabar não sei o que vou fazer”, diz Margarida.

Já o pai dela, seu José Ferreira, que também morava em Serra dos Cavalos há 64 anos, diz que está morando na casa de uma das filhas em Encruzilhada de São João, na zona rural de Bezerros, Agreste do Estado. “É muito triste porque eu estou na casa da minha filha, parado sem fazer nada porque eu só sei trabalhar na terra e lá não tem terra pra plantar”, lamentou o agricultor.

A promessa da prefeitura é construir as casas para as famílias em um terreno de aproximadamente 57 hectares em Brejo Velho, zona rural de Caruaru. De acordo com a determinação da justiça elas devem ficar prontas em março do próximo ano, porém faltando apenas quatro meses para o fim do prazo as obras ainda não começaram.

O procurador do município afirmou que apesar do curto tempo, o projeto das casas deve ficar pronto dentro desse prazo. “É um prazo apertado, mas o prefeito José Queiroz vai se empenhar ao máximo para que esteja tudo pronto no mês de março”, garantiu o procurador João Alfredo.

A retirada das famílias de Serra dos Cavalos foi motivo de muita polêmica em 2010. O local teve que ser desabitado por ser considerado uma área de Preservação Ambiental, que recebe o nome de Parque Municipal Vasconcelos Sobrinho.

O ministério Público pressionou a prefeitura para que relocasse os moradores para outra área e caso isso não fosse feito, o município teria que pagar uma multa de R$ 50 mil por dia. Depois de muitos prazos e ameaças de retiradas forçadas pela Polícia Militar, na segunda semana de novembro as famílias deixaram suas casas e hoje o parque está desabitado.


Mais Lidas