SAÚDE

Crianças portadoras de deficiência precisam sair do interior em busca de atendimento no Recife

Do JC Online do JC Online
Do JC Online
do JC Online
Publicado em 07/12/2010 às 17:00
Leitura:

A Associação dos Portadores de Deficiência de Caruaru (Apodec) tem cerca de 500 associados, muitos deles são crianças e quando o assunto é assistência médica, começam as dificuldades.

“É um absurdo uma cidade como Caruaru não ter um local para atender as crianças com deficiência, elas precisam ir ao Recife para receber atendimento”, desabafa Rosemary Silva presidente de Apodec.

Muitas mães sofrem com esse problema uma delas é Márcia que tem dois filhos com distrofia muscular progressiva, uma doença hereditária. Segundo ela, desde que eles tinham nove anos ela se esforça para dar o máximo de apoio aos filhos. “Aqui não tem especialista, eu preciso ir pra Capital quase toda semana para continuar o tratamento dos meninos”, relatou a mãe.

Aqui em Caruaru existe o centro de assistência a deficientes, no local eles tem atendimento de fisioterapia, mas sobre a construção de um centro de referência especializado e que atenda inclusive crianças, isso não está nos planos da prefeitura.

“Um projeto sobre isso a prefeitura não tem, mas as crianças podem ser atendidas em algumas das unidades municipais que estão prontas para atendê-las”, revelou Martha Melo secretária de Ação Social.


Mais Lidas