Canibalismo: um crime que chocou o país

Por Diego Martinelly Por Diego Martinelly
Por Diego Martinelly
Por Diego Martinelly
Publicado em 26/04/2012 às 12:02
NOTÍCIA
Leitura:

A prisão de duas mulheres e um homem em Garanhuns, no Agreste Meridional, com cartões de créditos roubados parecia ser mais uma quadrilha que se aproveitava da inocência das vítimas para aplicar golpes em lojas do comércio. Recursos como imagens de circuitos internos de estabelecimentos ajudaram a polícia a localizar o grupo. Esse tipo de crime é tão comum hoje em dia que logo que a informação chegou às redações dos veículos de comunicação o fato não passava de mais uma notícia policial que seria mostrada naquele dia.

O tempo foi passando e logo se descobre que o grupo liderado por Jorge Negromonte, sua esposa Isabel Cristina e a amante Bruna Oliveira matava mulheres e depois esquartejava as vítimas para aplicar o golpe. As coisas começaram a mudar e aquela informação que seria apenas divulgada no interior passou a repercutir em todo o Estado.

Uma criança ajudou a polícia a localizar os corpos, que eram enterrados dentro da casa de Jorge Negromonte. O delegado que investiga o caso descobriu que a menina era filha de uma das primeiras vítimas dos cruéis matadores, que, após matarem a mulher de nome Jéssica em Rio Doce, na cidade de Olinda, passaram a usar sua identidade e seus cartões de crédito.

A mídia nacional se interessa pelo caso e os investigadores passam a tratar aquele caso como prioridade. Novos delegados são destinados pela Secretaria de Defesa Social (SDS) para a investigação e o que ninguém esperava de três seres humanos, aparentemente “meros” ladrões de cartões, terminou vindo à tona com a revelação de que o grupo comia as carnes das vítimas e chegava até a vender salgados com carnes humanas na cidade de Garanhuns.

Aí começou aquela busca incessante da mídia para tentar entender o que se passava na mente dos canibais pernambucanos, que agora já faziam parte das páginas policiais dos grandes veículos de comunicação do mundo.

As perguntas não paravam de surgir entre os jornalistas e as pessoas que acompanhavam o caso. Que tipo de doença faz com que seres humanos expressem tamanha brutalidade e desejos sanguinários? Estavam possuídos por espíritos maléficos quando cometeram os crimes ou sentiam só a necessidade de matar com intuito de virarem os símbolos do mal aqui na terra? Toda essa investigação me faz recordar o jornalista Truman Capote, que na década de 1960, nos Estados Unidos, resolveu investigar um crime, só que analisando o porquê daquele episódio estar acontecendo e o motivo que levou os assassinos a cometerem o crime. Começava a surgir o New Jornalism, uma forma de escrever mais aprofundada, aprimorando as técnicas até então utilizadas nos textos jornalísticos da época.

Para responder aos questionamentos da população e dos profissionais que estão cobrindo o crime de Garanhuns surgem os especialistas médicos, que logo cuidaram de explicar cientificamente que não se tem doença alguma que faça a pessoa usar de tanta perversidade e crueldade como aconteceu neste caso.

A verdade é que não estamos preparados para lidar com estas pessoas que nós mesmos humilhamos, damos não e excluímos do convívio social. Estas pedras colocadas por nós não seriam motivo para a concretização de tudo que foi feito, mas contribuíram para o desequilíbrio de uma mente que carrega consigo o ódio, a maldade e a inveja. O assassino e sua esposa já receberam acompanhamentos de psicólogos e assistentes sociais no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Garanhuns.

Até filmes de terror e livros narrando os crimes Jorge Negromonte tinha produzido e registrado em cartório. Alguns profissionais do Caps tinham o conhecimento disso, mas não se preocuparam e nem passou pela cabeça deles que ali estava um matador frio e calculista.

Foi pelo tempo da varíola e da doença de chagas que nossos avós passaram. Agora está chegando a doença dos países considerados potências econômicas. Lá se pensa no carro do filho, no tablet da filha e se esquecem de cuidar dos princípios da família. O resultado é este aí que já estamos presenciando: matadores de crianças, gangues que espancam negros e homossexuais. Que esta tragédia sirva de lição e que nos atente a enxergar além do muro das nossas casas.

Mais Lidas