menu

Novo fato aumenta crença de que suposta imagem de santa apareceu em lençol em Limoeiro

Na cidade de Limoeiro, no Agreste de Pernambuco, a 76,5 km do Recife, o assunto mais comentado nessa quinta-feira (21) ainda é a suposta aparição da imagem de uma santa em um lençol do Hospital Regional José Fernandes Salsa.  A crença de que a mancha seja mesmo uma imagem de Nossa Senhora de Fátima é impulsionada pelos comentários entre os funcionários do hospital, de que o homem que perdeu a gota de sangue era devoto da santa antes de se tornar evangélico. 'Esse paciente, segundo contou familiares, era uma pessoa muito devota de Nossa Senhora e mesmo depois que virou evangélico ainda demonstrava acreditar na santa', relata Márcia Regina, enfermeira chefe do hospital. O homem foi transferido para o Hospital Otávio de Freitas e, ainda de acordo com Márcia, faleceu. A família do paciente não quer se pronunciar sobre o assunto.

Muito moradores do município estão firmes em dizer que a imagem é de Nossa Senhora de Fátima. O mototaxista Ivaldo Ramos disse nunca ter visto nada igual. 'Acredito que isso é um sinal de Deus, não é uma coisa que você vê no dia a dia. Eu acredito que é coisa que vem do céu. Pode ser um sinal', diz o mototaxista.

De acordo com a direção da unidade de saúde,  a imagem teria se formado após uma gota de sangue de um dos pacientes ter caído no lençol, na última sexta (15). Ainda segundo o hospital, o sangue era de um senhor de 88 anos, que não teve o nome divulgado, e que estava internado com infecção urinária. O paciente estaria tomando soro e quando a enfermeira tirou do braço dele a agulha pingou uma gota de sangue no lençol e formou a suposta imagem. Depois de algum tempo pessoas que estavam acompanhando outros pacientes internados no mesmo hospital teriam percebido a suposta imagem de Nossa Senhora.

O lençol com a suposta imagem da santa permanece nesta quinta (21) guardado na sala da diretoria do Hospital Regional de Limoeiro.  Os diretores recolheram o material a mando da Secretaria de Saúde do Estado e até que alguém da Igreja Católica possa levá-lo, o lençol permanecerá no local. 'Guardamos o lençol, pedimos que não fosse lavado. Apresentamos o material a dois párocos de Limoeiro e estamos aguardando até que alguém da Igreja venha e peça para levá-lo”, explicou o médico e diretor do hospital Roberto Rios.

Um dos párocos que viu a mancha foi o responsável pela Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, padre José Nivaldo. De acordo com ele é preciso ter cautela. 'É preciso averiguar melhor, fazer um estudo aprofundado a partir deste momento para poder descobrir o que será e então descobrir o fato e compreender melhor o que significa”, disse o padre.