nova votação

Câmara de Caruaru aprova projeto orçado em R$ 250 milhões que inclui BRT

Do NE10
Do NE10
Publicado em 23/01/2014 às 16:09
NOTÍCIA
Leitura:

Em sessão extraordinária nesta quinta-feira (23), a Câmara de Vereadores de Caruaru, no Agreste pernambucano, aprovou em nova votação o projeto de Mobilidade Urbana que inclui a implantação de um Bus Rapid Transit (BRT) na Capital do Agreste. A reunião começou com duas horas de atraso, isso porque os parlamentares aguardavam um parecer da Comissão de Legislação e Redação de Leis. Preparado pelo departamento jurídico da Casa, o documento só ficou pronto por volta das 12h.

Antes da proposta ser votada, o presidente da Câmara, Leonardo Chaves (PSD), se reuniu com os vereadores a portas fechadas. No início da sessão desta quinta-feira, alguns legisladores apresentaram o ponto de vista em torno do projeto. Joel da Gráfica (DEM) foi o primeiro a se pronunciar e se mostrou contra o financiamento de R$ 250 milhões para a execução da obra, que vai ligar o bairro das Rendeiras ao Alto do Moura com a construção de um corredor de ônibus.

O presidente da Comissão de Legislação e Redação de Leis, o vereador Marcelo Gomes (PSB), mediou a votação, que não contou com a presença do parlamentar Dr. Demóstenes Veras (Pros), que justificou estar em um plantão médico. Os demais vereadores iniciaram a votação que aprovou o projeto por 20 votos a favor e dois contra. A vereadora Rosemary da Apodec (sem partido, mas disputou a eleição pelo DEM) e o vereador Joel da Gráfica (DEM) foram os únicos contra a proposta.

ENTENDA - A primeira votação que havia aprovado o projeto do BRT – realizada em 17 de dezembro do ano passado – foi anulada em sessão extraordinária na última terça-feira (21). Na oportunidade, o legislativo optou pelo cancelamento após acatar uma recomendação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). O pedido do MP se deu em virtude da investigação desencadeada pela Operação Ponto Final, que aponta 10 parlamentares do município supostamente envolvidos em esquema de cobrança de propina para aprovação do projeto em questão.

REUNIÃO - Um encontro entre a Câmara e o secretário municipal de Projetos Especiais, Paulo Cassundé, havia sido inicialmente marcado para a tarde dessa quarta-feira (22), em que o gestor iria detalhar para os parlamentares a proposta do BRT. A reunião foi cancelada e remarcada para a manhã desta quinta-feira. No entanto, o secretário compareceu ao legislativo na noite dessa quarta-feira e explicou os aspectos do projeto aos vereadores. 

LEIA MAIS:
» Prefeito de Caruaru afirma que não teve contato direto com vereadores corruptos
» Indignação em Caruaru com a prisão de vereadores
» MPPE quer cassação dos dez vereadores presos
» Vereadores de Caruaru com mandatos em risco
» Os dez vereadores de Caruaru estão livres, afastados e recebendo salários
» Polícia Civil aponta os "chefes do esquema" em Caruaru
» Em Caruaru, vereadores acusados de cobrar propina dizem ser alvo de armação
» Vereadores de Caruaru tentam voltar à Câmara
» Vereadores tentam recuperar mandatos
» Barganha em outros projetos em Caruaru
» Nova Comissão de Ética avaliará cassação de vereadores investigados em Caruaru
» MPPE quer ouvir mais gente no caso da Câmara de Caruaru
» Câmara de Caruaru está a um passo de cassar mandatos de vereadores suspeitos

O CASO - A Operação Ponto Final foi deflagrada no início da manhã do dia 18 de dezembro do ano passado. Ao todo, 10 vereadores da Capital do Agreste foram presos e encaminhados à Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru, por suspeita de concussão, corrupção passiva e organização criminosa. Os parlamentares estariam exigindo ao prefeito José Queiroz (PDT) o valor de R$ 2 milhões para aprovação do projeto do BRT (Bus Rapid Transit), orçado em R$ 250 milhões.

Foram presos após seis meses de investigação da Polícia Civil, os vereadores Sivaldo Oliveira (PP), Cecílio Pedro (PTB), Pastor Jadiel e Val das Rendeiras (Pros), todos da base governista, e mais seis da oposição: Val (DEM), Louro do Juá e Eduardo Cantarelli (SDD), Jajá (expulso do PPS), Neto (PMN) e Evandro Silva (PMDB). Todos os suspeitos foram soltos no final de dezembro.

GRAVAÇÕES - O juiz da 4ª Vara, Pierre Souto Maior, determinou o fim do sigilo do processo que investiga os vereadores, ao qual a imprensa teve acesso no final da tarde da quinta-feira (9). Entre outras coisas, os autos mostram vídeo e gravações dos suspeitos em conversas com interlocutores numa suposta negociação de propina para aprovação de projetos na Câmara do município.

Mais Lidas