Saúde

Primeiro brasileiro curado de raiva sonha em voltar a andar

Elvis de Lima
Elvis de Lima
Publicado em 31/10/2014 às 8:45
NOTÍCIA
Leitura:

Marciano fala com dificuldades e deixou de frequentar a escola
Foto: Elvis de Lima/NE10
Seis anos após ser curado da raiva humana, o pernambucano Marciano Meneses da Silva, 21 anos, sonha em voltar a andar. O rapaz continua fazendo fisioterapia duas vezes por semana para tentar driblar as sequelas da doença considerada mortal em 100% dos casos. Hoje, o jovem mora a apenas alguns metros da antiga casa de taipa onde foi contaminado após ter sido mordido por um morcego, na zona rural do município de Floresta, no Sertão do Estado.

Os pais e os sete irmãos de Marciano convivem diariamente com a luta do jovem e o apoiam a continuar com o tratamento. Devido ao atrofiamento das pernas, ele precisa de apoio para se locomover, seja para o quarto, ou para qualquer cômodo da casa, por exemplo. O rapaz passa boa parte do dia em uma cadeira de balanço no terraço da nova residência, localizada na fazenda Santa Paula, a 435 km do Recife. A companhia para todas as horas é uma jandaia, apelidada de kiko, que está sempre por perto.

Devido às dificuldades, Marciano resiste a ir para a escola. "Estudei até a 7ª série [do ensino fundamental] e não tenho vontade de continuar. O que eu mais quero é poder voltar a andar e passear a cavalo", comenta, com a voz fraca. A escola mais próxima fica a alguns quilômetros de onde a família mora no Sertão pernambucano.

Duas vezes por semana o pai de Marciano, João Meneses, 57 anos, o leva ao centro da cidade para fazer fisioterapia. O procedimento é realizado em um casa alugada pela prefeitura, a 55 km da fazenda onde a família de Marciano mora. Sempre nas segundas e terças-feiras, o município disponibiliza um carro para transportar o jovem e um familiar para acompanhar o tratamento. Uma vez por mês, Marciano também vem ao Recife para fazer exames médicos.



MORDIDA - Filho de agricultores, o garoto foi contaminado no dia 7 de setembro de 2008 por um morcego. O animal mordeu o tornozelo do jovem enquanto ele dormia. Até hoje, Marciano mora com os pais e irmãos em uma casa, também de taipa, apenas alguns metros da antiga, onde foi contaminado.

Mesmo após ser curado de raiva no Recife Marciano sofreu diversas convulsões e precisou ser induzido ao coma. Lentamente, ele se recuperou e alguns meses depois recebeu alta da UTI. Hoje, o rapaz ainda continua com dificuldades para falar, mexer os braços e principalmente as pernas.

RAIVA - Apesar de ser conhecida desde a Antiguidade, ainda é um grave problema de saúde pública e acarreta altos custos na assistência preventiva às pessoas expostas ao risco de adoecer e morrer. O tratamento adotado em Pernambuco serve hoje de modelo em todo o País e recebeu o nome de Protocolo do Recife.

CAMPANHA
- Oitocentos e noventa mil cachorros e 386 mil gatos devem ser vacinados neste sábado (1º) em Pernambuco, dia da Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica Canina e Felina. A maioria dos casos registrados em humanos ocorre através dos cães. Em caso de mordida de qualquer animal - mesmo que "conhecido" - a pessoa deve lavar o local com água e sabão, e ir ao posto de saúde mais próximo. O tratamento profilático antirrábico é feito por meio de soro e vacina, disponíveis na rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Mais Lidas