Avaliação

Exames clínicos descartam caso de ebola em Caruaru

Do NE10
Do NE10
Publicado em 11/11/2014 às 15:41
NOTÍCIA
Leitura:

O paciente foi encaminhado para o Hospital Oswaldo Cruz, no Recife
Fotos: Divulgação/SSE
Os exames clínicos determinados pelo Ministério da Saúde descartaram a suspeita de ebola no homem internado com sintomas da doença, na manhã desta terça-feira (11), em Caruaru (a 134 km do Recife). Segundo o gerente da 4ª Regional de Saúde Estadual, Djair Lima, nenhum dos critérios determinados nos exames indicou a presença de ebola no paciente. A suspeita de malária também foi descartada por meio de teste rápido.

Apesar de descartada a possibilidade de ebola e malária, os médicos ainda não conseguiram identificar o tipo de doença de G.V.S. (apenas as iniciais do paciente foram divulgadas), de 44 anos de idade. Trabalhador da construção civil, ele foi encaminhado para o Hospital Oswaldo Cruz, no Recife, referência em infectologia no Estado. A equipe do hospital também é responsável em receber os casos suspeitos de ebola em Pernambuco - este é o primeiro. 

De acordo com Djair Lima, embora o resultado do exame de sangue coletado do paciente ainda não tenha ficado pronto, o protocolo do Ministério da Saúde garante a segurança da avaliação. G.V.S. visitou a África recentemente, mas esteve apenas na Guiné Equatorial, que não é considerada área de infestação do vírus ebola.

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira, a secretária executiva de Saúde de Caruaru, Wedneide Ameida, informou que ele já teria contraído malária seis vezes, esteve durante quatro meses no Guiné Equatorial e chegou ao Brasil na última terça-feira (4). Ele desembarcou no Rio de Janeiro, onde pegou um voo para o Recife e depois seguiu de carro para Caruaru, no mesmo dia.

O paciente foi transferido para o Hospital Oswaldo Cruz, no Recife
Na manhã desta quinta, após passar dois postos de saúde e desistir do atendimento por conta da fila de espera, o homem chegou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Vassoural às 9h, com histórico de dor de cabeça, dores nas articulações, tosse seca e febre.

A Secretaria de Saúde informou que o trabalhador deu entrada no hospital consciente e foi levado para um setor isolado da enfermaria, onde não teve contato com outros pacientes. Cerca de 30 minutos após a sua internação, uma equipe da Vigilância Sanitária chegou à unidade com os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). O protocolo de exame que descartou a possibilidade de ebola no paciente foi comandado pelo médico infectologista da unidade Demétrius Montenegro.
 
Coletiva de imprensa realizada na tarde desta quarta
De acordo com a secretária Wedneide Ameida, as pessoas que tiveram contato com o paciente não precisarão passar por exames, já que a doença foi descartada. Ela lembrou ainda que, mesmo se fosse confirmada a doença, o vírus não é transmitido no período de incubação, mas apenas no contato direto com a secreção do doente. Seguindo o protocolo, as instalações da UPA do Vassoral serão desinfetadas e a unidade voltará a funcionar normalmente até o início da noite.

EXAMES DE SANGUE - De acordo com o protocolo do Ministério da Saúde, quando uma pessoa chega a uma unidade de saúde apresentando suspeita de ebola, passa pelo protocolo de avaliação e por duas coletas de sangue. Um dos materiais é enviado de avião para o Laboratório do Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA) único credenciado no País para fazer o teste do ebola. O outro material colhido é utilizado e para exames do tipo sanguíneo e de malária (doenças de sintomas parecidos com o ebola).

Caso seja confirmada o ebola, o paciente será transportado em um avião para o Hospital da Friocruz, no Rio de Janeiro, que ficará responsável em tratar todos os pacientes do País. O mesmo procedimento padrão foi realizado no primeiros e último caso suspeito de ebola detectado no Paraná, no início de outubro.

Mais Lidas