Clima seco

Pernambuco: baixa umidade do ar deixa cidades do Sertão em estado de alerta

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 18/08/2016 às 17:25
NOTÍCIA
Leitura:

Os menores valores de umidade relativa do ar já foram registrados nesta quinta nas cidades de Serra Talhada (15%) e Ouricuri (16%)
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Os moradores das cidades do Sertão pernambucano devem enfrentar nos próximos dias os problemas gerados pela baixa umidade do ar. A Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) divulgou nesta quinta-feira (18) um alerta com os cuidados a serem tomados nesse período. 

» Governo reconhece situação de emergência em 56 municípios pernambucanos e 326 em cinco estados

O motivo para a queda na umidade do ar na região é a presença de uma massa de ar seco que se instalou sobre o Estado e está inibindo a formação de nuvens, propiciando temperaturas elevadas e valores muito baixos de umidade relativa do ar. Os menores valores já foram registrados nesta quinta nas cidades de Serra Talhada (15%) e Ouricuri (16%).

De acordo com a Apac, a umidade relativa do ar deve atingir valores abaixo de 20% no período da tarde em grande parte do Sertão nos próximos dias, com temperaturas acima de 34°C. Esse cenário quente e seco propicia complicações alérgicas e respiratórias devido ao ressecamento de mucosas, além de sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos, eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos, e o aumento do potencial de incêndios em pastagens e florestas.

Medidas evitam problemas de saúde gerados pela baixa umidade do ar

A agência orienta que, em momentos em que a umidade relativa do ar estiver entre 20 e 30%,  as pessoas devem evitar exercícios físicos ao ar livre das 11h às 15h, umidificar o ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água e molhamento de jardins, por exemplo, além de, sempre que possível, permanecer em locais protegidos do sol, em áreas vegetadas e consumir água à vontade.

Já quando a situação fica entre 12 e 20% o quadro é considerado de alerta e os moradores dessas áreas devem evitar exercícios físicos e trabalhos ao ar livre das 10h às 16h, não se expor a aglomerações em ambientes fechados e usar soro fisiológico para olhos e narinas. Com índices abaixo dos 12% devem ser somados aos cuidados anteriores as seguintes orientações: suspender atividades que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados como escolas, cinemas, entre outros, no período entre 10h e 16h e reforçar a umidade dos ambientes durante as tardes, principalmente quarto de crianças e hospitais.

Mais Lidas