Jornalista

Juiz concede liberdade provisória a acusado de mandar matar Marcolino Jr.

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 13/09/2016 às 8:35
NOTÍCIA
Leitura:

Corpo do jornalista Marcolino Júnior foi encontrado em abril deste ano
Foto: arquivo pessoal
O juiz Hildemar Macedo de Morais, da Vara do Júri da Comarca de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, concedeu nessa segunda-feira (12) a liberdade provisória a Davi Fernando Ferreira Graciano, acusado de ser o mandante do assassinato do colunista social Marcolino Júnior

Davi era assessor pessoal do jornalista e a motivação do crime teria sido o patrimônio da vítima, de acordo com inquérito da Polícia Civil. O acusado estava na Penitenciária Juiz Plácido de Souza (PJPS), em Caruaru, desde o dia em que o corpo foi encontrado, em abril deste ano.

O advogado de Davi defendeu que ele "é réu primário, portador de boa conduta social, trabalhador e possui residência fixa na comarca". Na decisão do juiz, consta ainda que o advogado de Davi alegou que, com o término da instrução criminal, a prisão preventiva não seria mais necessária.

Na decisão, o juiz Hildemar Macedo diz ainda que as provas produzidas "trouxeram sérias dúvidas quanto à participação do acusado na empreitada criminosa". O fato de Davi não ser suspeito ou acusado de cometer outros crimes também foi considerado pelo juiz para tomar a decisão.

Davi Fernando terá que comparecer mensalmente em juízo até o 15º dia útil; não poderá ir a bares nem ingerir bebida alcoólica ou substâncias entorpecentes; não poderá se mudar sem autorização do juízo ou sair da comarca por mais de 15 dias sem prévia comunicação às autoridades. Terá ainda que estar em casa a partir das 22h e não poderá manter contato com os familiares de Marcolino nem as testemunhas do processo, sob pena de ter a medida revogada e ser preso novamente.

Entenda o caso

O corpo do jornalista Marcolino Jr. foi encontrado no dia 18 de abril deste ano no Distrito de Insurreição, em Sairé, dois dias após a família comunicar o desaparecimento do jornalista.

De acordo com o inquérito da Polícia Civil, Marcolino foi morto a facadas em um motel em Caruaru, após ter sido dopado. O suspeito de executar o crime, Rafael Leite da Silva, 36 anos, disse em depoimento que colocou remédios em um sorvete que o colunista social tomou, ainda segundo a polícia. 

Rafael foi preso ao tentar vender o carro de Marcolino no centro de Caruaru. Uma faca, que seria a arma do crime, foi encontrada pela polícia na residência da companheira do suspeito, em São Caetano.

O ex-funcionário de Marcolino Davi Fernando Ferreira Graciano, 22 anos, é acusado de ser mandante do crime. A polícia informou que a motivação foi o patrimônio da vítima.

Mais Lidas