Maria Auxiliadora

Quatro pessoas são mortas em chacina em Caruaru

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 11/10/2016 às 7:43
NOTÍCIA
Leitura:

Chacina aconteceu no bairro Maria Auxiliadora, em Caruaru, no Agreste
Foto: reprodução/TV Jornal
Quatro pessoas foram mortas na noite dessa segunda-feira (10) no bairro Maria Auxiliadora, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, as vítimas foram Jeferson Daniel de Melo Silva, 22 anos, Layvison Moura da Silva, 27, Aldenize Pessoa Olímpio, 21 anos, e uma mulher identificada apenas como Pamela, que não teve a idade informada.

Em entrevista à Rádio Jornal Caruaru, o delegado Sérgio Moura afirmou que a motivação pode ter sido queima de arquivo, uma vez que pelo menos uma das vítimas tinha envolvimento com drogas. "A característica do crime tem a nítida impressão de queima de arquivo, de modo que nós não sabemos quem é o alvo principal ainda e o porque dos outros terem morrido, mas a gente percebe que foi um crime de execução", afirmou.

O delegado também disse que existe a possibilidade de as vítimas conhecerem o autor ou os autores da chacina. Segundo o perito criminal Carlos Henrique, foram encontradas munições calibre .38, de revólver. "Pelo total de perfurações, disparos e projéteis encontrados, a gente tem pelo menos uma ideia de duas armas no mínimo efetuando estes disparos", afirmou, à Rádio Jornal.

Ainda segundo a polícia, quando o efetivo chegou ao local, três das vítimas já estavam mortas, com vários tiros nas costas e cabeça. Pamela chegou a ser levada para o Hospital Regional do Agreste (HRA), com dois disparos, mas não resistiu aos ferimentos e também faleceu.

Investigação

A PM não soube informar como o crime aconteceu e também não tem informações sobre suspeitos. No local, a polícia recebeu informações de que o ex-companheiro da mulher identificada como Pamela a havia ameaçado de morte há alguns dias, mas não se sabe se este teria sido o motivo.

Os corpos foram levados para o Instituto de Medicina Legal (IML) e o caso será investigado pela Polícia Civil.


Mais Lidas