Riscos

Especialistas do Vale do São Francisco avaliam possível contaminação do rio após tragédia em Brumadinho

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 29/01/2019 às 16:00
NOTÍCIA
Leitura:

Rejeitos de Brumadinho (MG) podem podem chegar ao Rio São Francisco
Foto: divulgação/Presidência da República

O coordenador da câmara consultiva regional no submédio São Francisco, Julianeli Tolentino, afirmou nesta terça-feira (29) que caso não sejam tomadas as devidas providências para reter os rejeitos do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), pode haver a contaminação da água do Rio São Francisco, inclusive o submédio do curso d'água, no Vale do São Francisco. "Nós precisamos nos preocupar, sim. Não é um simples desastre, é um crime ambiental gravíssimo de grandes proporções", lamentou, em entrevista à Rádio Jornal Petrolina.

Um Boletim de Monitoramento Especial do Rio Paraopeba elaborado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) prevê que a lama com rejeitos de barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, alcance, entre os dias 15 e 20 de fevereiro, a Usina Hidrelétrica de Três Marias, na Bacia do Rio São Francisco, região central do estado de Minas Gerais.

A nascente do Paraopeba está localizada no município de Cristiano Otoni, mesorregião metropolitana de Belo Horizonte, e a foz, na represa de Três Marias, no município de Felixlândia (MG). O Rio Paraopeba é um dos principais afluentes do Rio São Francisco. Nesta terça-feira (29) à noite, os rejeitos deverão alcançar o município de São José da Varginha e, entre os dias 5 e 10 de fevereiro, a Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo, entre os municípios mineiros de Curvelo e Pompéu.

O ex-diretor da Chesf e membro do Sindicato dos Urbanitários de Pernambuco, Mouzart Arnolds, pode haver uma contaminação não visível. "Nós não podemos descartar em hipótese nenhuma a possibilidade de contaminação do nosso São Francisco", afirmou. De acordo com ele, também é necessário tomar as medidas necessárias para que os resquícios dos rejeitos não cheguem à região, como o monitoramento da qualidade da água.

Mais Lidas