menu

Operação Gênesis cumpre mandados de prisão contra integrantes de organização criminosa suspeita de desviar recursos públicos da Prefeitura de Quipapá

Esquema criminoso teria desviado R$ 18 milhões da prefeitura
Foto: divulgação/MPPE

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) deflagraram, na manhã desta quinta-feira (14), a quarta fase da Operação Gênesis. A operação visa cumprir 16 mandados de prisão e de busca e apreensão nas cidades de Quipapá, Garanhuns, Caruaru e Itaíba em desfavor de ex-agentes públicos e empresários que fazem parte de um esquema criminoso que teria desviado R$ 18 milhões da Prefeitura de Quipapá.

“Essa nova etapa da Operação Gênesis é resultado de mais de um ano e meio de investigações. Nossa expectativa é poder prender pessoas que praticam crimes silenciosos, mas que atingem diretamente toda a sociedade”, disse o promotor de Justiça Frederico Magalhães, do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento ao Crime Organizado (Gaeco/MPPE).

Alvos da operação

Acusados de praticar os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações que tinham por finalidade desviar recursos públicos através da contratação de empresas de fachada pelo município de Quipapá, são os alvos da operação . O esquema criminoso já tinha sido alvo, em 2018, da segunda fase da Operação Gênesis, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da Prefeitura de Quipapá e de algumas das empresas.

Os detalhes sobre a operação serão repassados em coletiva de imprensa que será realizada às na tarde de hoje, na sede da Procuradoria Geral de Justiça, no Recife.