Clima

Barreiros e Palmares tem chuvas mais intensas da Zona da Mata

Maior volume do Estado ocorreu na RMR, onde oito pessoas morreram em decorrência das chuvas

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 24/07/2019 às 11:37
NOTÍCIA
Valéria Oliveira
FOTO: Valéria Oliveira
Leitura:

A Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) divulgou na manhã desta quarta-feira (24) um balanço das chuvas nas últimas 24 horas na Zona da Mata e na Região Metropolitana do Recife (RMR). De acordo com a Apac, os modelos atmosféricos indicam que a atmosfera deve permanecer com estabilidade nas próximas 24h e a precipitação deve reduzir para esta quinta-feira (25).

O maior volume ocorreu na RMR, onde oito pessoas morreram em decorrência das chuvas. A maior precipitação foi em Paulista (176 mm), seguida de Olinda (170 mm), Recife (141 mm) e São Lourenço da Mata (73,6 mm). Já na Zona da Mata, os municípios que mais acumularam chuvas foram Paudalho (53,2 mm), Barreiros (46 mm), Palmares (23 mm) e Vitória de Santo Antão (19,6 mm).

A previsão do tempo ainda é de chuvas com intensidade moderada a forte na RMR e Zona da Mata. No Agreste e Sertão, a previsão indica chuvas com intensidade fraca, ainda de acordo com a Apac. Segundo a Apac, as chuvas são decorrentes de "um canal de umidade que foi formado por um sistema frontal que adentrou o estado no dia 20 e continua persistente".

Desde a última seta-feira (19) até esta quarta (24), foram emitidos quatro avisos meteorológicos devido aos prognósticos que indicavam chuvas fortes do setor leste do Estado, do Litoral ao Agreste.

Nível dos rios

O Rio Capibaribe voltou a subir na altura do município de São Lourenço da Mata. A cota está aproximadamente 40 cm acima da cota de alerta. Em Paudalho, o rio sobe de forma lenta. Em Toritama e Limoeiro, no Agreste, os níveis estão estáveis. O Rio Tracunhaém está subindo e a 17 cm da cota de alerta em Nazaré da Mata.

O Rio Capibaribe Mirim está subindo e já ultrapassou 38 cm a cota de inundação. O Rio Siriji está a 47 cm a cima da cota de alerta, subindo lentamente. O Rio Una, em Barreiros, também está subindo, mas distante da cota de alerta. O Rio Panelas, em Belém de Maria, e o Pirangi, em Catende, estão estáveis.

Mais Lidas