menu

Para Marina Silva, Bolsonaro acabou com a política ambiental do Brasil

Em entrevista à Rádio Jornal Caruaru, Marina Silva falou sobre atual governo do país

Marina ficou em oitavo lugar no primeiro turno, com 1% dos votos
Marina Silva foi entrevistada pela Rádio Jornal Caruaru (Ándre Carvalho/CNI)

Em entrevista à Rádio Jornal Caruaru nesta terça-feira (5), a ex-candidata à presidência da república e ex-ministra do meio ambiente Marina Silva (Rede sustentabilidade) fez um balanço do atual governo brasileiro, avaliou problemas ambientais e falou sobre o trabalho que veio realizando.

Quando questionada sobre a situação atual do país, Marina afirma que vê retrocessos e falta de compromisso por parte do presidente Jair Bolsonaro. "É uma situação muito grave no Brasil. O país está vivendo uma série de retrocessos em várias agendas. É uma situação difícil no Nordeste inteiro com esse derramamento de óleo. O governo, por falta de compromisso e falta de respeito com o povo nordestino, mas também porque desmontou toda a agenda de governância ambiental brasileira e deixa o Nordeste entregue à sua própria sorte", comentou.

A ex-ministra ainda ressaltou a demora do governo para conter alguns problemas ambientais que chamaram a atenção do país inteiro. "Ele [Jair Bolsonaro] acabou com a política ambiental, por isso que o Brasil está nessa situação de completo desgoverno com incêndios, com derramamento de óleo que o governo levou 40 dias para poder começar a fazer alguma coisa".

Quando questionada sobre se posicionar a respeito dos problemas ambientais que o Brasil está enfrentando, Marina afirma que tem se posicionado e que continua fazendo o trabalho dela pelo meio ambiente por todo o país. "As pessoas que acompanham meu trabalho sabem que eu tenho me posicionado. As pessoas de boa fé sabem o que estou fazendo. Eu sou uma professora e tenho estado pelo Brasil inteiro fazendo meu trabalho.

Sobre se candidatar novamente à presidência, Marina relembra que já foi candidata por três vezes e está tranquila com o trabalho que já está realizando."Eu não tive o peso da quantidade de votos que eu tinha antes. Estou tranquila, vou fazer meu trabalho na vida socioambiental, na defesa da democracia, na defesa dos direitos humanos, independentemente de candidatura", finaliza.

Ouça a entrevista: