Bezerros

Populares relatam gritos e vozes perto de hospital desativado

Unidade de saúde tratava de leprosos há mais de 200 anos

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 29/11/2019 às 19:11
NOTÍCIA
Reprodução/TV Jornal Interior
FOTO: Reprodução/TV Jornal Interior
Leitura:

Conhecido como "Hospital dos Bixiguentos", uma unidade de saúde desativada que há mais de 200 anos tratava de leprosos em Bezerros, no Agreste de Pernambuco, continua no imaginário popular. O hospital foi construído em 1800 no Sítio Mulungu, na zona rural do município. Pessoas que moram na região relatam que até hoje ouvem gritos e vozes vindos das ruínas.

"A pessoa adoeceu, constatou que é lepra, mandava logo para esse hospital, que era conhecido como Hospital dos Leprosos. Não tinha cura, e até mesmo chegou um padre que dava assistência lá, terminou ficando leproso e morreu lá", relembra o historiador e professor Ronaldo Souto Maior.

Como não havia tratamento para a hanseníase, as pessoas ficavam internadas até morrer. Por causa disto, muitos moradores da cidade acreditam que as vozes sejam de espíritos. Dentro do antigo hospital, só são encontrados morcegos.

De acordo com o agricultor José de França, os supostos espíritos jogavam terra em quem passava pelo local. "Muita gente viu, a gente passava ali, voava terra. Outros balançavam tipo um chocalho. A gente olhava, não via ninguém", relembrou. Ele disse ainda que as pessoas mortas eram enterradas em um cemitério atrás do hospital, que ninguém teve coragem de mexer.

O também agricultor Alexsandro Souza disse que o tio da esposa dele havia visto uma suposta alma. "Ele passou e viu uma mulher sentada e pensou que era a minha. Quando chegou lá na frente encontrou ela e disse: 'oxente, pensei que era tu que estava na tua casa'. Ela disse: 'não, que eu não fui para casa ainda'", relatou. O morador Jeovane da Silva relembra o dia em que tentou visitar as ruínas, mas teve medo. "Só cheguei até ali próximo, mas tive medo e voltei. Me arrepiei todo e voltei".

Veja na reportagem do "Sem Meias Palavras", da TV Jornal Interior:

Mais Lidas