menu

Tamandaré: prefeitura nega que haja cobrança de taxa para praias

Vídeo divulgado nas redes sociais diz que era necessário pagar R$ 80 para entrar na cidade

Manchas de óleo chegam a uma das principais praias do litoral nordestino, a dos Carneiros
Tamandaré sofre impactos econômicos desde a ocorrências das manchas de óleo (Bruno Campos/JC Imagem)

Após a divulgação de um vídeo nas redes sociais que mostrava a suposta cobrança de uma taxa para entrar em Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, a prefeitura do município se pronunciou através de uma nota à imprensa na qual disse que a taxa não é mais cobrada.

De acordo com a gestão municipal, o vídeo é de janeiro do ano passado e a cobrança era feita por dois agentes de fiscalização do Departamento de Tributos do município. Nas imagens, um guarda municipal informa que é necessário pagar R$ 80 para acessar a cidade.

Segundo a nota, os guardas estavam dando suporte e foram solicitados na ocasião porque a van fretada com 10 passageiros que aparece no vídeo teria passado o ponto de cobrança sem parar. A prefeitura informou que a cobrança está prevista na lei municipal que regulamenta o acesso de veículos fretados para transporte de passageiros com mais de oito lugares às praias da cidade e a cobrança da taxa de preservação ambiental.

Veja o vídeo:

Prefeitura de Tamandaré diz que vídeo que mostra cobrança de taxa para entrar na cidade é de 2018

  • 09/12/2019 15:22
Após a divulgação de um vídeo nas redes sociais que mostrava a suposta cobrança de uma taxa para entrar em Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, a prefeitura do município se pronunciou através de uma nota à imprensa. De acordo com a gestão municipal, o vídeo é de janeiro do ano passado e a taxa não é mais cobrada. 2 minutos e 5 segundos

Taxa não é mais cobrada

De acordo com a gestão, o valor, cobrado até março de 2018, tinha como objetivo financiar ações de preservação e redução do impacto ambiental nas áreas de praia e nos recifes. Ainda de acordo com a prefeitura, a partir de abril do ano passado, o prefeito Sérgio Hacker suspendeu a cobrança devido ao período de baixa temporada, e o valor continua suspenso.

A gestão ainda se mostra preocupada com os prejuízos que a informação pode trazer ao turismo local, que sofre impacto econômico desde a ocorrência do óleo nas praias.