Benefício

Quem recebe R$ 1.200 vai receber quanto na quarta parcela do auxílio emergencial?

Ministério da Cidadania responde principal dúvida das mães solteiras

Ana Maria Santiago de Miranda
Ana Maria Santiago de Miranda
Publicado em 07/07/2020 às 14:23
NOTÍCIA
Jailton Junior/JC Imagem
FOTO: Jailton Junior/JC Imagem
Leitura:

A prorrogação do auxílio emergencial, assinada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, no dia 30 de junho, gerou diversas dúvidas nos beneficiários quanto à forma de pagamento. O decreto do governo federal prorroga o auxílio emergencial pelo período complementar de dois meses, para pessoas que fizeram a solicitação até o dia 2 de julho e foram consideradas elegíveis.

O calendário da quarta parcela para o Bolsa Família já tem data para começar, uma vez que o pagamento para este grupo segue o cronograma já existente. Desta forma, os beneficiários com o final do Número de Identificação Social (NIS) 1 recebem no dia 20 de julho. Os com o NIS final 2, no dia 21 de julho, e assim por diante, até o dia 31 de julho, quando recebem os beneficiários com final do NIS 0, pulando apenas o fim de semana.

Qual o valor do auxílio emergencial para mãe solteira na nova prorrogação?

> Auxílio emergencial terá mais quatro parcelas; saiba qual o valor

Auxílio emergencial prorrogado até dezembro com novo valor; confira

Como fazer o MEI? Saiba como se formalizar como microempreendedor individual

Porém, uma das principais perguntas feitas pelos beneficiários é: "Quem recebe R$ 1.200 vai receber quanto na quarta parcela do auxílio emergencial?". Este valor é pago para as mães solteiras, ou seja, mulheres que são chefes de família monoparental.

Em resposta enviada ao Portal NE10 Interior, a diretoria de Comunicação Social do Ministério da Cidadania informou que: "As parcelas do período complementar de dois meses, como consta no decreto nº 10.412, de 30 de junho de 2020, serão equivalentes aos valores já recebidos (R$ 600 ou R$ 1.200) do Auxílio Emergencial".

Portanto, as mães solteiras, que estão no grupo de pessoas que recebem duas cotas do auxílio de R$ 600, o equivalente a R$ 1,2 mil, continuarão recebendo o mesmo valor na quarta e quinta parcelas do auxílio emergencial.

O governo não informou, porém, as datas de início do pagamento das parcelas extra para o grupo de informais, autônomos, desempregados e outras pessoas de baixa renda. O calendário de saques da terceira parcela do auxílio começa no dia 18 de julho e vai até 19 de setembro.

Cinco parcelas garantidas

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, já disse que os beneficiários considerados elegíveis irão receber todas as parcelas com segurança e tranquilidade. "Nós tivemos problemas sim, em um programa dessa magnitude é normal, mas nós fomos superando as falhas. As cinco parcelas estão garantidas a todos aqueles que são elegíveis. Todos aqueles que estão dentro da lei, que têm direito, vão receber [o auxílio] com segurança e tranquilidade", afirmou.

Auxílio emergencial terá mais quatro parcelas

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta terça-feira (1º) a prorrogação do auxílio emergencial. Serão mais quatro parcelas de R$ 300. O anúncio foi feito pelo presidente e o ministro da Economia, Paulo Guedes. "O valor definido é um pouco superior a 50% do valor do salário mínimo, ou melhor, do Bolsa Família. Decidimos aqui, atendendo à economia e em cima da responsabilidade fiscal, fixá-lo em R$ 300”, disse Bolsonaro, ao anunciar o novo valor das parcelas prorrogadas. 

Governo define regras que restringem quem pode receber novas parcelas do auxílio

A medida provisória que estabelece o pagamento de quatro novas parcelas do auxílio emergencial, está publicada na edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira (3). Além de fixar o valor em R$ 300 o governo estabeleceu novas regras que limitam o pagamento da ajuda federal. As mães chefes de família vão continuar recebendo o benefício em dobro.

Mais Lidas