Críticas

Padre diz que menina de 10 anos teria compactuado com estupro: "tava gostando"

Comentário gerou polêmica nas redes sociais

Equipe NE10 Interior
Equipe NE10 Interior
Publicado em 21/08/2020 às 16:40
NOTÍCIA
Leonardo Vasconcelos / TV Jornal
FOTO: Leonardo Vasconcelos / TV Jornal
Leitura:

Um padre da cidade de Carlinda, no Mato Grosso, se envolveu em uma polêmica após comentar em uma postagem no Facebook que a menina de 10 anos, que engravidou após ser estuprada pelo tio, teria compactuado com a violência sexual.

"6 anos, por 4 anos e não disse nada. Claro tava gostando" (sic), escreveu. Ele ainda complementou com a frase: "gosta de dar, então assuma as consequências". A criança, que é do Espírito Santo, passou por um aborto legal no início desta semana em um hospital do Recife, capital de Pernambuco, com autorização judicial.

Exame de DNA para comprovar se tio engravidou menina de 10 anos deve sair em 30 dias

Caso de aborto em criança de 10 anos no Recife gera repercussão nacional

O comentário repercutiu entre os usuários da rede social e gerou uma série de críticas. Na quinta-feira (20), o religioso decidiu pediu desculpas. "Àqueles que se sentiram ofendidos, só resta meu pedido de perdão", publicou.

Na nota, ele afirma que não teve a intenção de usar palavras de baixo calão, "as quais não comungam com minha fé e minha crença na pessoa humana". Ele excluiu o perfil da rede.

Relembre o caso

A criança engravidou depois de sofrer estupro por cerca de quatro anos na cidade de São Mateus, no Espírito Santo. Ela teria tido o atendimento negado no estado e após autorização judicial, pôde realizar o procedimento no Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), no Recife (PE). Ela já recebeu alta e voltou para o estado de origem.

A gravidez foi descoberta no dia 8 de agosto, quando a menina foi levada para um hospital de São Mateus. A equipe médica desconfiou da gestação devido aos sintomas relatados e ao tamanho da barriga da menina. A vítima acabou contando aos profissionais de saúde e à tia que sofria a violência sexual desde os seis anos, e era ameaçada pelo tio. O suspeito fugiu após a descoberta da gravidez e foi preso na última terça (18).

A decisão proferida na última sexta-feira (14), pelo juiz da Vara da Infância e da Juventude de São Mateus, Antonio Moreira Fernandes, determinou que a criança fosse submetida ao procedimento de melhor viabilidade e o mais rápido possível para preservar a vida dela.

Antes da criança fazer o procedimento, o caso veio à tona e provocou confusão em frente à unidade de saúde. Um grupo liderado por vereadores e deputados ligados à igreja evangélica e à católica protestou contra realização do procedimento. Também havia pessoas defendendo o direito da criança de abortar, por causa da violência sofrida e da idade. Houve bate-boca e empurrões.

Mais Lidas