Operação

Lava Jato faz operação contra escritórios de advocacia; ex-advogado de Bolsonaro e advogado de Lula são alvos

Operação E$quema começou a partir da Operação Jabuti, de 2018

Agência Brasil Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 09/09/2020 às 8:49
NOTÍCIA
Agência Brasil
FOTO: Agência Brasil
Leitura:

A Operação Lava Jato está realizando mais uma etapa nesta quarta-feira (9). Os alvos da operação são escritórios de advocacia. Estão entre os suspeitos os advogados Frederick Wassef, que já representou o presidente Jair Bolsonaro e Cristiano Zanin, que defende o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

Policiais federais e integrantes do Ministério Público Federal (MPF) estão cumprindo 50 mandados de busca e apreensão contra acusados de desvios de R$ 355 milhões na Federação do Comércio do Rio (Fecomércio/RJ) e nas seções fluminenses do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço de Aprendizagem Comercial (Senac).

A Operação E$quema, um desdobramento da Operação Lava Jato, começou a partir da Operação Jabuti, de 2018, e também usa informações de delação premiada do ex-presidente da Fecomércio/RJ Orlando Diniz.

De acordo com o MPF, dos R$ 355 milhões gastos a pretexto de serviços advocatícios supostamente prestados à entidade, entre 2012 e 2018, ao menos R$ 151 milhões foram desviados em esquema que envolveria Diniz, Marcelo Almeida, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin, Fernando Hargreaves, Vladimir Spíndola, Ana Tereza Basílio, José Roberto Sampaio, Eduardo Martins, Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Os 11 foram denunciados por organização criminosa.

Esquema envolvia contratos falsos

Ainda segundo o MPF, o esquema envolvia o uso de contratos falsos com escritórios dos acusados ou de terceiros por eles indicados, em que serviços advocatícios declarados não eram prestados, mas remunerados por elevados honorários por essas entidades representativas do comércio fluminense. As investigações mostraram que as instituições destinaram mais de 50% de seu orçamento anual a contratos com escritórios de advocacia.

Como os contratos eram feitos com a Fecomércio/RJ, entidade privada, o seu conteúdo e os seus pagamentos não eram auditados pelos conselhos fiscais do Sesc e do Senac Nacional, pelo Tribunal de Contas da União (TCU) ou pela Controladoria-Geral da União (CGU), de acordo com o MPF.

Os recursos do Sesc e Senac, no entanto, têm origem pública, que são repassados pela Receita Federal a partir de contribuições sobre folhas de pagamento de empresas comerciais para os Serviços investirem na capacitação e bem-estar de comerciários.

*Matéria em atualização

Mais Lidas