menu

Fogo já destruiu 23% do Pantanal, aponta monitoramento

As queimadas se expandiram em maior volume no últimos dois meses e já dizimou a maioria de reservas naturais e terras indígenas do Pantanal

Chico Ribeiro/Governo do Mato Grosso
As queimadas se expandiram em maior volume no últimos dois meses e já dizimou a maioria de reservas naturais e terras indígenas do Pantanal (Reprodução/Rádio Jornal)

Segundo dados do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa), de janeiro até o último dia 27 de setembro deste ano, as queimadas já destruíram 3.461 hectares, o equivalente a 23% de todo o Pantanal, na região Norte do país. Em relação ao mesmo intervalo de 2019, o acréscimo em 2020 no que diz respeito ao fogo no bioma foi de 122%.

Segundo a responsável pelo monitoramento do Lasa, Renata Libonati, as queimadas se expandiram em maior volume no últimos dois meses e já dizimou a maioria de reservas naturais e terras indígenas do Pantanal.

“Houve uma evolução significativa da área queimada nestes últimos dias, principalmente na região da Serra do Amolar, no Pantanal norte, alcançando o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense e algumas da Reserva Particular do Patrimônio Natural. Essas queimadas iniciaram fora do Parque Nacional e das Reserva Particular do Patrimônio Natural, mas avançaram para essas localidades”, comentou Renata.

Indígenas

De acordo ainda com os dados do Lasa, que identificou que o fogo já destruiu 23% do Pantanal, no que se referem às terras indígenas, todos os sete territórios do mioma foram afetados, sendo a Perigara a mais atingida, com mais de 93% da sua área territorial consumida pelas queimadas.