menu

Onda de calor deve continuar e Inmet alerta para risco de morte

Saiba até quando o calor deve se estender

Especialista explica que existe alimentos que reduzem os sintomas da menopausa
Onda de calor deve continuar (Reprodução/TV Jornal)

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta de "grande perigo" em razão de uma onda de calor em grande parte da Região Centro-Oeste e no estado do Tocantins. De acordo com o Inmet, a onda de calor que vai até esta sexta-feira (9), teve início pouco depois do meio-dia dessa segunda-feira (5). O instituto disse que há risco de morte por hipertermia.

O instituto disse que que durante este período as temperaturas registrarão 5ºC acima da média na região. O aviso registra alerta para as seguintes áreas: Distrito Federal, centro sul, nordeste, norte,  sudeste e sudoeste mato-grossense, centro, leste, sul, norte e noroeste goiano, sudeste, sul e oeste tocantinense.

Em caso de emergência, o Inmet recomenda que a população contate a Defesa Civil (telefone 199). Também deve ser aumentada ingestão de líquidos, evitar a prática de atividades físicas ao ar livre entre as 10h e 17h e usar protetor solar.

Bloqueio atmosférico

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, o calor persistente que ocorre em grande parte do país é causado por um bloqueio atmosférico que se instalou na área central do Brasil. Os ventos subsidentes, que são os movimentos de cima para baixo, em níveis médios até a superfície provocam tempo quente com máximas acima dos 40°C e baixa umidade, com valores inferiores a 15%, principalmente do centro para o norte do estado de SP.

No último final de semana as temperaturas registradas na faixa leste do estado foram de 29,6°C e 22,3°C, no sábado (3) e domingo (4). Na sexta-feira (2), a capital registrou 37,4°C, sua maior temperatura do ano e a segunda maior temperatura da série histórica das medições do Inmet no Mirante de Santana, na capital paulista, desde 1943. O recorde de temperatura máxima absoluta para a capital foi de 37,8°C em 17 de outubro de 2014.

*Informações da Agência Brasil