saúde

Pesquisa aponta que própolis pode reduzir tempo de internação por Covid-19

O estudo foi desenvolvido pela USP em parceria com a Apis Flora

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 17/01/2021 às 9:49
NOTÍCIA
Reprodução/Google
FOTO: Reprodução/Google
Leitura:

Uma pesquisa realizada pela USP em parceria com a Apis Flora apontou que o uso de própolis é uma alternativa promissora para a reduzir o tempo de internação de pacientes com Covid-19. Mesmo com bons resultados, aos pesquisadores esclareceram que é necessário expandir o estudo, abordando outros métodos científicos, para confirmar a real eficácia.

Estudo diz que infecção por covid-19 dá alguma imunidade para quem já teve a doença

Durante a pesquisa, foram avaliadas 124 pessoas, internadas no Hospital São Rafael, em Salvador. Todos os pacientes receberam o tratamento padrão para a doença, 40 pessoas receberam 400 mg/dia de própolis; 42 receberam 800 mg/dia de própolis; e as outras 42 não receberam própolis.

Os pacientes que não receberam própolis ficaram 12 dias internados no hospital, enquanto os pacientes que receberam a substância, administrada via oral, tiveram o tempo médio de internação de seis a sete dias.

Sorologia, RT-PCR? Entenda como funcionam os principais exames para diagnosticar a COVID-19

Covid-19: Comprar vacina para funcionários será proibido

A pesquisa apontou ainda que não foram registrados resultados negativos e uma das vias de expansão do estudo é um ensaio clínico duplo cego com placebo, com participação de um maior número de pacientes.

Própolis não previne Covid-19

É importante ressaltar que a pesquisa não fala a respeito da prevenção da doença e sim dos resultados apontados por um pequeno grupo de pacientes que contraiu Covid-19 e estava em internação.

É recomendado procurar um médico para consumir a substância regularmente e tomar os cuidados necessários de higiene e segurança para evitar contrair o coronavírus, como o uso de máscaras, higiene das mãos, evitar aglomerações e evitar tocas as mãos e evitar tocar no nariz, na boca e nos olhos.

Ao apresentar qualquer sintoma, é fundamental procurar atendimento médico especializado e evitar a automedicação.

Com informações do UOL

Mais Lidas