Saúde

Como funciona o uso medicinal da cannabis? Especialista explica

Entrevista esclareceu como funciona o tratamento

Samara Pontes
Samara Pontes
Publicado em 29/01/2021 às 15:03
NOTÍCIA
Reprodução/NE10 Interior
FOTO: Reprodução/NE10 Interior
Leitura:

O programa Consultório dessa quinta-feira (28), falou sobre o uso da Cannabis Medicinal em diferentes patologias. A radialista Samara Pontes conversou com a médica, especializada no desenvolvimento da medicina Canabinóide com foco na dor crônica, Maria Tereza Jacob. Ela atua na cidade de Campinas, interior de São Paulo.

A utilização de plantas para auxiliar no tratamento de patologias não é algo de hoje, de acordo com a profissional, essa é uma prática milenar. "Na China antiga, há 5.000, 6.000 anos antes de Cristo, as plantas já eram usadas, inclusive a cannabis que já era direcionada a diversos tipos de patologias", comenta.

Durante a conversa, a médica ressaltou como é segura e responsável a forma com que os pacientes podem adquirir o medicamento a base de maconha. "Ninguém quer que o paciente utilize a substância pra 'dar barato', não é isso. As doses são extremamente controlodas e quando existe a necessidade de uma dose um pouco maior, existe uma combinação com outras substâncias que vão amenizar esses efeitos. Ou seja, é muito seguro e para finalidades completamente diferentes".

A cannabis sativa pode ser utilizada em diferentes patologias e os benefícios são inúmeros, especialmente para qualidade de vida do paciente. "Ela pode ser utilizada em doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer; em doenças neurológicas como a epilepsia ou o Transtorno do Espectro Autista; para depressão e ansiedade; doenças reumáticas e autoimunes; e até mesmo em pacientes com câncer, amenizando os efeitos da quimioterapia. Esses são só alguns dos exemplos", destacou.

Sobre como adquirir o produto e iniciar o tratamento, a especialista explica: "Os produtos que nós temos seguros até o momento são importados. Atualmente, com toda essa situação de pandemia, tivemos uma alta no dólar e no euro. De fato, é um tratamento mais caro, apesar que alguns laboratórios congelaram seus preços, disponibilizaram na nossa moeda ou estão com promoções. O que acontece muitas vezes é que, como o paciente apresenta várias doenças e a cannabis atua como um todo melhorando sua saúde, ele acaba economizando na compra de outros medicamentos. No final, acaba compensando".

Ao longo da entrevista, Maria Tereza ainda abordou possíveis contraindicações, como o medicamento pode atuar no tratamento de dores crônicas, os tipos de fitocanabinóides, entre outros destaques. A entrevista completa está disponível no Facebook da Rádio Jornal Garanhuns.

Entenda como funciona o uso medicinal da cannabis

Mais Lidas