Vacinação

Pernambuco deve receber mais de 400 mil doses da vacina contra a Covid-19 ainda em fevereiro

Anúncio foi feito pelo secretário de saúde de Pernambuco nesta quarta-feira (17).

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 17/02/2021 às 18:13
NOTÍCIA
Tânia Rêgo/Agência Brasil
FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta quarta-feira (17) o secretário de saúde de Pernambuco, André Longo informou que o estado deve receber até o dia 28 de fevereiro mais de 400 mil doses de vacinas contra a Covid-19. De acordo com o secretário, serão 320 mil doses da CoronaVac e 80 mil doses da Oxford/AstraZeneca.

Pouco mais de 11% da população idosa de Caruaru foi vacinada contra a Covid-19

O anúncio foi feito após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, apresentar em reunião virtual com governadores, o cronograma de entrega das vacinas contra a Covid-19. Ele informou que, entre o fim de fevereiro e julho, serão distribuídas mais de 230,7 milhões de doses aos estados.

André Longo disse que a perspectiva é que o Brasil possa contar com 10,2 milhões de doses até o dia 28 de fevereiro, o que possibilita uma aceleração no plano de imunização. Pernambuco deve receber 4,5% dessa quantitativo.

"Temos que estar com tudo pronto para, tão logo haja entrega dessas vacinas (pelo Ministério da Saúde) possamos distribuir (as doses) aos municípios pernambucanos", completou o secretário.

Doses

As próximas entregas de doses aos estados deve acontecer ainda em fevereiro. Serão 2 milhões de doses da AstraZeneca/Fiocruz, importadas da Índia, e 9,3 milhões da Sinovac/Butantan, produzidas no Brasil.

Em março, o Ministério também aguarda a chegada de 18 milhões de doses da vacina do Butantan e mais 16,9 milhões da vacina da AstraZeneca.

“Totalizaremos até 31 de julho quase 231 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, ou seja, o suficiente para dar tranquilidade de proteção à população contra essa doença", afirmou o ministro.

O cronograma do primeiro semestre apresentado pelo ministro também leva em conta as negociações com os laboratórios União Química/Gamaleya e Precisa/Bharat Biotech, que garantirão ao Brasil a chegada da vacina russa Sputnik V e da indiana Covaxin, respectivamente. 

Mais Lidas