menu

Pesquisador aponta Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Garanhuns com alta no contágio do coronavírus

Jonas Albuquerque falou sobre o aumento dos casos da Covid-19 em Pernambuco, durante entrevista ao Povo na TV.

Moda Center realiza primeira feira do ano
Cidades do interior estão com alta taxa de contágio do coronavírus (Divulgação)

Os casos de coronavírus estão registrando alta em Pernambuco desde o fim de dezembro. Os municípios do Agreste estão entre aqueles com altas taxas de contágio. Em entrevista ao Povo na TV, o pesquisador do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco da UFRPE (IRRD), Jonas Albuquerque fala sobre o aumento da infecção da Covid-19 no interior.

De acordo com o pesquisador, a tendência de crescimento da doença é registrada a partir de 31 de dezembro, depois das festas de fim de ano, e mais recentemente do Carnaval. "O que a gente observa é que a gente aumentou demais a infecção no estado como um todo", afirma.

Utilizando gráficos e mapas com a curva de contaminação do vírus, Jonas explica como está a situação, atualmente, das cidades e qual foi o fator determinante para o aumento dos casos. "Algumas das cidades do estado estão indo para uma região muito crítica de risco vermelho da situação. Quando isso soma-se ao comportamento relaxado de toda as esferas. Todo mundo cansou, a gente perdeu a consciência pandêmica".

Covid-19 no Agreste

Sobre as novas variantes, que o secretário de Saúde de Caruaru, Breno Feitoza, já havia confirmado que elas estão em circulação no Agreste, o pesquisador diz que pode ser, inclusive, que outras mutações, ainda não identificadas, estejam em circulação. A grande circulação de pessoas, que está alta em Pernambuco, é o fator responsável pelo surgimento e proliferação das variantes.

Entre os municípios do interior do estado com alto risco de contágio ele destacou Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Garanhuns. A nível nacional ele lembra que a pandemia nunca deu sinais de desaceleração. "A gente não dá sinal algum de queda. O mundo tem um sinal de queda porque vários países 'trancaram-se' e vacinaram massivamente". 

A preocupação maior, segundo Jonas, é que o vírus está atingindo de forma agressiva e simultânea o interior e a região metropolitana. E para conter essa nova onda, ele afirma que seria necessária medidas integradas de isolamento social, não adianta uma cidade se isolar e as demais, que estão ao redor, continuarem com ampla circulação.