benefício

Governo prevê aumento do valor do Bolsa Família este ano; entenda o que muda

A PEC Emergencial, que viabiliza o retorno do auxílio emergencial, também pode aumentar o valor dos pagamentos dos beneficiários do programa.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 10/03/2021 às 11:32
NOTÍCIA
Divulgação/PF
FOTO: Divulgação/PF
Leitura:

A proposta da PEC Emergencial foi aprovada em primeiro e segundo turnos no Senado e, na última terça-feira (9), recebeu aprovação da Câmara dos Deputados. Aproximadamente 14 milhões de beneficiários do Bolsa Família devem migrar de forma automática para o cadastro do auxílio emergencial, mas o governo estuda mudanças para estas pessoas.

> Quem recebe Bolsa Família tem direito ao novo auxílio emergencial? Veja o que diz o governo

Saiba quem receberá parcelas de R$ 150, R$ 250 e R$ 375 do auxílio emergencial

De acordo com o que já foi confirmado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, devem ser pagas quatro parcelas do benefício com valores que variam entre R$ 150, R$ 250 e R$ 375. Após os pagamentos das novas parcelas, o Bolsa Família deve ser ampliado para os beneficiários.

O que vai mudar?

Em conversa com apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) destacou que o novo valor do auxílio emergencial, que deve ser pago em quatro parcelas, está acima da média do Bolsa Família, que é de R$ 190. Os beneficiários do programa devem receber o auxílio emergencial como contrapartida durante os meses em que ele estiver valendo.

No entanto, o beneficiário do Bolsa Família precisa receber um valor do programa que seja inferior ao do auxílio para receber o pagamento. Caso contrário, será mantido o programa assistencial de maior valor.

Após o pagamento das quatro parcelas do auxílio, o governo pretende aumentar o valor médio pago por meio do Bolsa Família, que hoje é de R$ 190. Isso porque, de acordo com os dados do próprio governo, foram reservados R$ 34,8 bilhões para o programa ente ano.

Deste valor, R$ 6 bilhões já foram usados para realizar os pagamento do programa nos meses de janeiro e fevereiro. Portanto, ainda restam R$ 29 bilhões que devem ser usados a partir de julho.

Mais Lidas