Gastos

Governo Bolsonaro paga influenciadores para defenderem atendimento precoce contra a Covid-19

A ex-BBB Flávia Viana recebeu, sozinha, R$11,5 mil, segundo os documentos obtidos pela Agência Pública.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 31/03/2021 às 15:45
NOTÍCIA
Reprodução/Instagram
FOTO: Reprodução/Instagram
Leitura:

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) gastou mais de R$ 1,3 milhão para pagar ações de marketing com influenciadores digitais a favor do tratamento precoce contra a Covid-19, o qual não possuí comprovação científica para o tratamento da doença.

A informação foi obtida pela Agência Pública. De acordo com a reportagem, o valor pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Comunicação (Secom) e inclui R$ 85,9 mil destinados ao cachê de 19 famosos contratados para divulgar as campanhas em suas redes sociais.

Em janeiro deste ano, a Secom contratou quatro influenciadores, que receberam um montante de R$ 23 mil para falar sobre "atendimento precoce". A verba saiu de um investimento total de R$ 19,9 milhões da campanha publicitária denominada "Cuidados Precoces COVID-19". A ex-BBB Flávia Viana recebeu, sozinha, R$11,5 mil, segundo os documentos obtidos. 

Post no Instagram

No roteiro da ação, obtido pela Agência Pública através de um pedido via Lei de Acesso à Informação (LAI), a Secom orientava a ex-BBB e os influenciadores João Zoli (747 mil seguidores), Jéssika Taynara (309 mil seguidores) e Pam Puertas (151 mil seguidores) a fazer um post no feed e seis stories – todos no Instagram – dizendo para os seguidores que, caso sentissem sintomas da Covid, era “importante que você procure imediatamente um médico e solicite um atendimento precoce”.

Flávia Viana, que fez o seu post em 14 de janeiro, enquanto Manaus vivia o auge do colapso na rede hospitalar, recebeu quase 33 mil likes. Pam Puertas e Jessika Taynara fizeram seus posts nos dias 12 e 13 de janeiro, respectivamente, e a reportagem não encontrou no feed de João Zoli a postagem publicitária. A Agência Pública entrou em contato com os quatro influenciadores, porém não recebeu resposta.

Em ofício, a Secom esclareceu que, do valor total, R$987,2 mil foram destinados à produção das peças – filmes para TV, spot para rádio, vídeos e banners para internet e peças para mídia exterior – enquanto o valor restante (R$ 18,9 milhões) foi destinado à veiculação e divulgação do material produzido. Uma das peças de TV veiculadas em outubro focava na hashtag “NãoEspere”, presente no texto-guia entregue aos influenciadores. 

Mais Lidas