menu

Governadores do Nordeste declaram apoio a Paulo Câmara após críticas de Bolsonaro

O presidente criticou o governador de Pernambuco por causa de gastos na pandemia.

Paulo Câmara e Jair Bolsonaro ''brigam'' por paternidade do 13º do Bolsa Família
Paulo Câmara falou do presidente Jair Bolsonaro (Acervo/JC Imagem)

Governadores do Nordeste declararam apoio ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) o criticou a respeito de gastos do Estado na pandemia de Covid-19. O chefe do Executivo compartilhou uma publicação no Twitter no último domingo (4) com um vídeo do apresentador Sikêra Jr apresentando uma tabela de gastos.

O gráfico apresentado no programa mostra que a União encaminhou ao Estado R$ 42,7 bilhões e R$4,8 bilhões teria sido para o enfrentamento da pandemia do coronavírus. "Senhores governadores, criem vergonha na cara. Digam ao seu povo quanto receberam para cuidar das vidas, e não tomar essas vidas, não matar as pessoa. Paulo Câmara, esse dinheiro não é teu, é para salvar vidas", disse Sikêra.

Através da mesma plataforma, Paulo Câmara rebateu as críticas de Bolsonaro. "Difícil acreditar que em um dia como hoje, domingo de Páscoa, sejamos obrigados a nos deparar com novas atitudes lamentáveis do Presidente da República. Em lugar de disseminar fake news, por que não assumir suas verdadeiras atribuições e fazer parte do enfrentamento à pandemia?". 

Apoio

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), desejou solidariedade a Paulo Câmara. "Esses ataques covardes não vão nos desanimar", disse.

 

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), disse que o gestor pernambucano foi "alvo de fake news". "Ataques sem sentido à quem está na linha de frente".

 

Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão, utilizou uma passagem bíblica para rebater a postagem do presidente. Lembrei-me da Bíblia, Livro do Apocalipse: 'À besta foi dada uma boca para falar palavras arrogantes e blasfemas e lhe foi dada autoridade para agir durante quarenta e dois meses'", escreveu.