Saúde

Novo método da Fiocruz agiliza monitoramento de variantes da covid-19

Fiocruz Pernambuco desenvolveu metodologia para tornar monitoramento mais barato e simples

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 09/04/2021 às 19:30
NOTÍCIA
Foto Ascom/Fiocruz PE
FOTO: Foto Ascom/Fiocruz PE
Leitura:

A Fiocruz Pernambuco desenvolveu uma metodologia para tornar mais simples, rápido e mais barato o monitoramento das variantes do coronavírus (covid-19). O método é baseado numa técnica já usada no Brasil e no mundo, intitulado sequenciamento de Sanger.

O teste foi feito pela equipe da Fiocruz, que realiza o monitoramento de novas variantes do SARS-CoV-2, utilizando infraestrutura e tecnologia disponíveis no Laboratório de Nível de Biossegurança 3 (NB3) e no Núcleo de Plataformas Tecnológicas (NPT) da instituição.

Esse trabalho é feito a partir de amostras fornecidas pelo Lacen/PE, encomendadas pela Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco.

Este trabalho assume uma maior relevância quando se observa o surgimento e espalhamento das novas variantes e o recrudescimento da pandemia no Brasil e no mundo. A explosão de casos de Covid-19 observada em todo o Brasil no mês de março, por exemplo, está relacionada à variante P.1, identificada inicialmente no estado do Amazonas, que vem se espalhando rapidamente pelo país.

“É muito importante que a P.1, assim como todas as outras variantes do novo coronavírus, sejam continuamente monitoradas. Esses dados são fundamentais para o combate à doença, tanto do ponto de vista epidemiológico, quanto na adaptação das novas vacinas e de testes diagnósticos”, disse o técnico em Saúde Pública da Fiocruz PE, Matheus Figueira Bezerra, autor principal do artigo.

O estudo mostra que o sequenciamento completo do genoma viral tem uma execução complexa e o custo por amostra é alto. Além disso, a quantidade de laboratórios que tem um sequenciador de nova geração não é suficiente para atender a grande demanda.

A maior vantagem da nova técnica é que ela pode ser executada com um aparato tecnológico mais simples. A disponibilidade desses equipamentos é maior que dos sequenciadores de nova geração.

Porém, o cientista destaca que a ideia não é substituir o sequenciamento completo do genoma. “O objetivo do nosso método é na verdade possibilitar que o monitoramento das variantes seja realizado em uma escala bem maior de amostras, com redução significativa no tempo e custo de processamento”, explica.

Mais Lidas