Luto

Delegado morto no Agreste de Pernambuco é enterrado em Fortaleza

Guarda Municipal, Polícia Civil e Polícia Militar prestaram as últimas homenagens ao delegado.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 19/04/2021 às 14:44
NOTÍCIA
Reprodução
FOTO: Reprodução
Leitura:

O enterro do delegado Anderson Liberato, morto enquanto cumpria um mandato de prisão, em Jataúba no Agreste de Pernambuco, aconteceu no início da tarde desta segunda-feira (19).

O sepultamento ocorreu no Cemitério Memorial da Paz e homenagens foram realizadas pela Guarda Municipal, Polícia Civil e Polícia Militar. 

Entenda o caso:

No sábado (17), o delegado Anderson Liberato estava cumprindo um mandado de prisão em uma residência em Jataúba, Agreste de Pernambuco, quando foi baleado, pelo suspeito que estava na residência.

De acordo com o secretário de Saúde de Jataúba, Adalmir Holanda, três tiros atingiram o delegado Anderson, um no braço, um na coxa e um na clavícula. A bala que atingiu a clavícula ultrapassou o tórax, perfurou o pulmão e pode ter provocado complicações no coração.

O delegado chegou a ser atendido no hospital municipal de Jataúba, mas o estado de saúde era grave e Anderson precisava ser estabilizado e transferido para o Recife. Foi solicitado um helicóptero da Secretaria de Defesa Social para realizar a transferência do delegado, mas durante o atendimento ele não resistiu aos aos ferimentos e morreu.

O que aconteceu no dia da morte do delegado?

Em uma entrevista exclusiva para à TV Jornal Interior, o promotor de justiça de Jataúba, Rolemberg Feitosa deu detalhes de como aconteceu o caso.

De acordo com o promotor, o inquérito a respeito do que ocorreu no dia da morte do delegado Anderson Liberato ainda está sendo fechado. No entanto, a partir de uma análise preliminar, já é possível dar detalhes sobre a sequência dos fatos.

Anderson teria chegado a Jataúba com a equipe de policiais civis e militares. Os agentes cercaram a casa onde estavam os suspeitos e pediram para que eles saíssem do local. Na sequência, a polícia teria entrado no local pela sala da residência. "Lá, já contiveram a Elisângela e perguntaram onde estaria o seu esposo. A princípio ela disse que ele não estava e depois desmentiu", contou Rolemberg.

Depois disso, os agentes pediram que José Carlos saísse de onde estava e se apresentasse aos policiais, tendo em vista que a casa estava cercada. O suspeito, no entanto, ficou calado. A polícia ingressou nos cômodos da casa procurando por ele e Anderson o encontrou no último deles. Quando o delegado entrou no local, o suspeito atirou contra ele.

Três tiros atingiram o delegado Anderson, de acordo com o secretário de Saúde de Jataúba, Adalmir Holanda: um no braço, um na coxa e um na clavícula. A bala que atingiu a clavícula ultrapassou o tórax, perfurou o pulmão e pode ter provocado complicações no coração.

Anderson chegou a ser atendido no hospital municipal de Jataúba, mas o estado de saúde era grave e que Anderson precisava ser estabilizado e transferido para o Recife. Foi solicitado um helicóptero da Secretaria de Defesa Social para realizar a transferência do delegado, mas durante o atendimento ele não resistiu aos aos ferimentos e morreu.

Morte do suspeito:

Um dos suspeitos, José Carlos, que foi o autor dos tiros que provocaram a morte do delegado Anderson, morreu no início da noite do sábado. Ele teria ficado ferido após os agentes reagirem aos disparos e precisou receber atendimento médico.

José estava sendo transferido para o Hospital Regional do Agreste, em Caruaru. Perto do posto da Polícia Rodoviária Federal, na BR-104, em Caruaru, suspeitos em um carro pediram para os profissionais de saúde saírem da ambulância em que José estava e executaram o homem.

Elisângela, por sua vez, foi presa em flagrante por suspeita de participação no homicídio do delegado. Ela foi apresentada em audiência de custódia e houve representação pela sua prisão preventiva. "Ela foi preventivamente presa. Ou seja, contra ela, hoje coexistem dois tipos de mandados prisionais. Um de prisão temporária, para investigação do homicídio do tio dela, e um preventivo, em face da possível participação no homicídio que ceifou a vida do delegado Anderson", explicou o promotor.

 

Mais Lidas