Investigação

Dr. Jairinho é indiciado por tortura contra filha de ex-namorada

A criança confirmou as agressões após uma denúncia feita pela mãe e pela avó.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 01/05/2021 às 10:17
NOTÍCIA
Tânia Rêgo/Agência Brasil
FOTO: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Leitura:

O vereador Dr. Jairinho (sem partido) foi indiciado pela Polícia Civil pelo crime de tortura majorada contra a filha da ex-namorada. De acordo com o delegado Adriano Marcelo Firmo França, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), a criança confirmou as agressões após uma denúncia feita pela mãe e pela avó.

Os crimes aconteceram entre 2010 e 2013, quando a vítima tinha 3 a 5 anos. A polícia enviou ao Ministério Público um inquérito com várias provas e laudos e pediu a prisão preventiva do parlamentar.
Atualmente, a menina está com 13 anos e disse que teve a cabeça batida contra a parede de um banheiro e em outra ocasião afundada na piscina.

A avó da vítima foi ouvida. À polícia, ela contou que perguntou a Jairinho o motivo do machucado na testa da menina e ele teria dito que o ferimento foi causado por uma batida no console do carro após uma freada brusca durante a ida a um shopping.

Outros casos

Além deste inquérito, a Polícia Civil está investigando outra denúncia contra o vereador. O menino também é filho de uma outra mulher com quem Jairinho se relacionou. A criança foi ouvida e disse que o vereador colocou um pano e papel em sua boca, o deitou em um sofá e teria pisado sobre seu corpo. A mãe da vítima também destacou outra situação em que o filho torceu o joelho em um momento que estava sozinho com o padrasto.

Se as acusações forem comprovadas, Jairinho pode ter a pena aumentada por ter praticado tortura majorada, um termo usado para definir agravantes do crime que estendem o tempo de reclusão, que, no caso do político, pode chegar a até oito anos.

Caso Henry Borel

Henry Borel morreu no dia 8 de março, dentro do apartamento do vereador, após retornar de uma visita à casa do pai biológico. Em depoimento à polícia, a mãe, Monique Medeiros e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho, disseram que, por volta das 3h30 daquela madrugada, encontraram o menino caído no chão do quarto onde o garoto dormia. A hipótese levantada pelos dois é a de que Henry teria caído da cama.

Nos depoimentos, os dois disseram que Henry foi encontrado com mãos e pés gelados e com os olhos revirados. O menino foi levado ao Hospital Barra D’Or, mas a equipe médica da unidade de saúde confirmou que Henry já chegou ao pronto socorro sem vida.

Um mês depois da morte da criança, Dr. Jairinho foi preso e Monique Medeiros, mãe de Henry e namorada do vereador, forma presos suspeitos de matar o menino Henry.

***Com informações do UOL

Mais Lidas