Saúde

Amapá confirma morte de bebês de 4 e 7 meses por sarampo

Essas foram as primeiras mortes provocadas pela doença em menos 20 anos.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 16/05/2021 às 16:03
NOTÍCIA
Fotos Públicas
FOTO: Fotos Públicas
Leitura:

Dois bebês de 4 e 7 meses morreram por sarampo no Amapá. De acordo com o governo do Amapá essas foram as primeiras mortes provocadas pela doença em menos 20 anos. Segundo a Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS-AP), os óbitos aconteceram entre março e abril, estavam sob investigação e a causa foi confirmada na última sexta-feira (14).

De acordo com o governador Waldez Góes (PDT), a primeira morte, foi de uma menina de 7 meses, registrada no dia 28 de março, em Macapá. A criança não havia recebido vacina e começou a apresentar os primeiros sintomas da doença em 24 de fevereiro. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Macapá confirmou que a menina não tomou a dose zero da vacina contra sarampo. "Durante a varredura vacinal que ocorreu no bairro onde ela morava, a mesma ainda não tinha os seis meses completos, que é um pré-requisito para iniciar o seu esquema vacinal", disse a nota.

O segundo caso foi de uma criança indígena, de 4 meses, no município de Pedra Branca do Amapari, na região central do Estado. A bebê também não tinha recebido a vacina por estar "fora da faixa etária", segundo o governo. A irmã gêmea da criança, também morreu. Sua morte estava sendo investigada, mas a hipótese de sarampo foi descartada pela SVS-AP. 

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde de Macapá, a outra irmã teria morrido de dengue. "Eram duas irmãs gêmeas, sendo que uma faleceu no dia 19 de abril e a outra no dia 1 de maio. As duas mortes estavam sob investigação, e o resultado foi que apenas a menina que faleceu no dia 19 de abril teve confirmação de sarampo. A irmã dela deu positivo para dengue como causa da morte". 

Surto de Sarampo 

O Amapá voltou a registrar o primeiro caso de sarampo em outubro de 2019, após 22 anos sem registro da doença, e desde então vive um surto. Entre janeiro e maio de 2021, já foram notificados 320 casos. Durante todo o ano de 2020 foram registrados 297 casos de sarampo. 

A Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS-AP) explicou que o sarampo é uma doença infecciosa grave, transmitida quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas. "A única forma de prevenção é por meio da vacina tríplice viral, que, aplicada em duas doses, protege contra sarampo, rubéola e caxumba", alertou a SVS-AP.

*Com informações do UOL

Mais Lidas