Pandemia

Covid-19: Risco de colapso nas unidades de saúde do Agreste

De acordo com o presidente presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, esse seria o pior momento da pandemia no Agreste

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 20/05/2021 às 17:26
NOTÍCIA
Reprodução/TV Jornal Interior
FOTO: Reprodução/TV Jornal Interior
Leitura:

Em um entrevista ao vivo à TV Jornal Interior, José Edson, presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, falou sobre um possível colapso nas unidades de saúde dos municípios do Agreste, a falta de oxigênio e medicamentos para pacientes graves. 

 

"Especialmente aqui na nossa região temos tido um aumento substancial de casos novos e graves e isso nos dá uma intranquilidade em relação a falta de oxigênio, essencial para melhorar a saúde daqueles que estão com Covid. Além disso, estamos com uma falta nacional de anestésicos e relaxantes musculares injetáveis, usados para pacientes que estão em estado grave", relatou durante a entrevista. 

O secretário também falou que esse seria o pior momento do Agreste em relação a Covid-19, mas que a região ainda não está em colapso. "Estamos no pior momento que desde o início da pandemia, mas colapso ainda não. Muitos municípios conseguiram equipamentos antes de começar a nova onda e estão segurando os pacientes, mas a gente ainda não tem visto pacientes morrendo por falta de vaga", ressaltou. 

O presidente também foi questionado enquanto a possíveis senhas para vagas em leitos de UTI. Em resposta,  José Edson informou que o Estado desconhece sobre essas senhas e explica que não há mais vagas de leitos. "Temos tido demora para conseguir vagas, por que, na verdade, não existe vaga. Já passamos por situações que pacientes tiveram que esperar 48h esperando poque não tínhamos vagas para transferir para um leito de UTI", disse. 

Colapso em Caruaru 

A situação da ocupação de leitos no Agreste tem preocupado o Governo do Estado e as secretarias de saúdes de municípios do Agreste de Pernambuco. Em Caruaru, o Hospital Mestre Vitalino (HMV) atingiu a lotação total de leitos de enfermaria para casos de Covid-19. Enquanto isso, a fila de espera para leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) aumentou. 

O Hospital Mestre Vitalino é referência para atender pacientes de todo o estado, no entanto, não está conseguindo dar conta dos pacientes contaminados vindos dos 53 municípios da 4ª e 5ª Gerências Regionais de Saúde. Ao todo são 60 leitos no Hospital Mestre Vitalino e 40 no Hospital de Campanha, localizado no estacionamento do HMV.

De acordo com a direção do hospital, esse é o pior momento da ocupação dos hospital desde o início da pandemia. "Desde o início da pandemia na nossa região esse é o pior momento. Hoje, nossas UTI estão com 100% de ocupação e a enfermaria com 90%. Essa semana chegamos a bater 100% de ocupação de pacientes na UTI", falou Marcelo Cavalcanti diretor do Hospital Mestre Vitalino. 

O último boletim divulgado pelos hospitais públicos e particulares de Caruaru, mostrou a situação crítica em que o município se encontra. As ocupações de leitos com pacientes com Covid-19 ou com suspeita da doença, é muito alta:

  • Hospital Mestre Vitalino: A enfermaria está com 85% de ocupação e as UTI's com 100%.
  • Hospital Manoel Afonso: Enfermaria com 89% e UTI's com 100% de ocupação. 
  • Hospital Unimed: A enfermaria com 93% e as UTI's com 100% de ocupação. 
  • Hospital Santa Efigênia: Enfermaria com 95% e UTI'S com 100%
  • Hospital regional do Agreste: Só atende pacientes com Covid-19 na UTI e está com 100% dos leitos ocupados

O secretário de Saúde de Caruaru falou sobre a situação e disse que desde o início da pandemia, Caruaru trabalhou com a taxa de ocupação em média de 50%. No entanto, a situação está bem diferente agora. "No início Caruaru trabalhava com a ocupação média de no máximo 60% nos leitos de enfermaria e isso nunca tinha sido um problema. Hoje nós estamos beirando os 90%/95% de ocupação também dos leitos de enfermaria. Sem sombra de dúvidas estamos no piro momento da pandemia desde o ano passado", disse. 

Confira a entrevista completa: 

Mais Lidas