política

'O presidente não combate o vírus', diz Paulo Câmara depois que Bolsonaro pede ao STF derrubada de decreto

Bolsonaro pediu que fosse suspenso o decreto de medidas restritivas de combate à Covid-19.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 28/05/2021 às 12:30
NOTÍCIA
Hélia Scheppa/SEI
FOTO: Hélia Scheppa/SEI
Leitura:

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), utilizou as redes sociais para se manifestar contra uma ação movida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última quinta-feira (27). Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar o decreto que determina medidas restritivas de combate à Covid-19 em Pernambuco, no Paraná e no Rio Grande do Norte.

"O país precisa de mais vacinas, ampliação da testagem, apoio financeiro para a população. Mas o presidente não combate o vírus, ao contrário, caminha na direção oposta, enquanto encena embates de baixo nível, para uma plateia cada vez menor", declarou Paulo Câmara.

Bolsonaro entregou uma representação ao STF por meio da Advocacia-Geral da União (AGU). A ação direta de inconstitucionalidade (ADI) é referente aos decretos que determinam a restrição de circulação de pessoas e ordenam restrições, fechamento de atividades econômicas não essenciais e, em alguns casos, toque de recolher. O presidente questiona se estas medidas para reduzir a circulação de pessoas estão de acordo com a Constituição Federal. 

O governador de Pernambuco destacou em sua fala sobre o risco de uma nova onda de contaminação no país. "A cada dia, a conta que Jair Bolsonaro prestará à história fica mais clara pela sua opção de condenar à morte e à miséria milhares de pessoas. Um erro que se consolida como irreparável. Um alto preço que 456.674 brasileiros pagaram com a própria vida", escreveu Câmara em sua rede social.

Restrições em Pernambuco

Ao todo, 65 cidades do Agreste enfrentam um período de medidas restritivas mais rígidas até o dia 6 de junho. Apenas serviços considerados essenciais podem funcionar durante esses dias e todas as atividades econômicas e sociais estão suspensas em todos os dias da semana e em qualquer horário. Até a quinta-feira (27), o estado totalizou 472.590 infectados e 15.595 mortes devido à doença. 

Mais Lidas