Segurança

Antônio de Pádua é exonerado da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco

Mudança veio após reação de policiais em relação aos protestos contra o presidente Jair Bolsonaro realizados no dia 29 de maio.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 05/06/2021 às 9:18
NOTÍCIA
Diego Nigro/JC Imagem
FOTO: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Na sexta-feira (4), o Governo de Pernambuco anunciou a saída de Antônio Pádua, secretário de Defesa Social. Por meio de nota, o governador, Paulo Câmara, nomeou para responder pela Secretaria de Defesa Social de Pernambuco o atual secretário executivo, Humberto Freire.

Antônio de Pádua, é delegado da Polícia Federal e estava à frente da Secretaria de Defesa Social desde 1º de julho de 2017. O secretário interino Humberto Freire também é delegado federal e fazia parte da equipe de Pádua desde o início da gestão dele.

Foi a segunda mudança na pasta de Defesa Social, desde a repressão da polícia militar à manifestantes que estavam realizando um ato contra Bolsonaro no Recife, no dia 29 de maio. Depois da ação, Paulo Câmara anunciou o afastamento do oficial responsável por ação da PM durante o ato. Na manhã da sexta-feira (4), o coronel Roberto Santana foi empossado como novo comandante da Polícia Militar, em substituição ao coronel Vanildo Maranhão.

“Quero agradecer ao secretário Pádua por todo o seu trabalho em defesa do Pacto pela Vida nesses quatro anos, e ressaltar que a missão dada ao secretário Freire e ao comandante Roberto é que o episódio do último sábado não seja esquecido, para que nunca se repita. Os protocolos precisam ser revistos para que um comando de tropa na rua não possa se sentir autônomo a ponto de agir da maneira que agiu”, afirmou o governador.

Ordem do comando

Um áudio divulgado na quinta-feira (3), Pádua explicou que há uma hipótese de que a ordem partiu do próprio comando de campo em reação a atitudes dos manifestantes. O ex-secretário, disse que o comandante operacional identificou agressões por parte dos manifestantes e por isso a decisão de uso de força policial. 

Durante o ato, a operação do Choque atingiu dois homens com balas de borracha que ficaram em estado grave com risco de perder a visão. Além disso, a vereadora do Recife, Liana Cirne (PT) recebeu um jato de spray de pimenta no rosto enquanto tentava conversar com policiais. 

Em nota, divulgada para a imprensa, o ex-secretário repudiou a ação no protesto e agradeceu ao governador e toda a equipe da SDS. 

Confira a nota na íntegra:

Os fatos ocorridos no último sábado foram graves e precisam ser investigados de forma ampla e irrestrita. Minha formação profissional e humanística repudia, de forma veemente, a maneira como aquela ação foi executada. Seis dias depois do episódio, com um novo comandante à frente da PM, com todos os procedimentos investigatórios instaurados e após prestar contas à Assembleia Legislativa, à OAB e ao Ministério Público, entreguei meu cargo ao governador Paulo Câmara, com a certeza do dever cumprido e mantendo nosso compromisso com a transparência e o devido processo legal.

Agradeço a toda a equipe da SDS e dos órgãos operativos que compõem a secretaria, aos colegas do governo e, principalmente, ao governador pelo apoio no trabalho desenvolvido ao longo desses quatro anos. Na gestão mais duradoura na trajetória desta secretaria, pude colaborar, sob as diretrizes do Pacto pela Vida, com a expansão e qualificação de unidades e serviços de segurança, a ampliação dos recursos humanos e, principalmente, com a redução da violência em Pernambuco, que chegou em maio ao 5º mês consecutivo de retração dos crimes contra a vida.

Meu ciclo à frente da SDS está completo. Jamais deixei de assumir minhas responsabilidades, enquanto coordenador das forças de segurança, mas também, como gestor e servidor público, tenho a plena consciência de que as instituições são mais importantes que as pessoas. E devem seguir, cada vez mais fortes e sintonizadas com os anseios de todos.  Finalizo meus trabalhos neste cargo com a tranquilidade do dever cumprido e com a certeza de que a política pública de segurança do Estado seguirá vitoriosa, sendo uma prioridade da gestão. Mais uma vez, obrigado a todos pela inestimável colaboração que tive.

Atos contra Bolsonaro 

O ato contra o governo de Jair Bolsonaro que aconteceu no dia 29 de maio, no último sábado, no Centro do Recife acabou em um confronto entre os manifestantes e a força policial. O momento foi transmitido ao vivo pelas redes sociais de páginas que apoiam o ato. Segundo os relatos no vídeo, a Polícia Militar de Pernambuco usa spray de pimenta e bala de borracha para dispersar a multidão, e um dos militantes teria sido ferido. 

> Ato contra Bolsonaro no Recife é dispersado com gás de pimenta e balas de borracha; veja vídeo

A manifestação se iniciou pacificamente, no entanto, descumpre o decreto estadual que proíbe aglomerações de pessoas devido à crise sanitária causada pela covid-19. O protesto teve concentração na Praça do Derby, por volta das 9h, se iniciando por volta das 10h40. De acordo com as imagens, os manifestantes estavam em uma ponte quando, ao fundo, é possível ouvir sons que parecem ser bombas de gás. Os militantes começam a pedir para que os protestantes se separarem.

*Com informações do Diário de Pernambuco

Mais Lidas