emocionante

Menino de 8 anos faz apelo à juíza para ter sobrenome do padrasto: 'ele sim é um pai de verdade'

A criança chamou a atenção da juíza, que respondeu à carta.

Eduarda Cabral
Eduarda Cabral
Publicado em 07/06/2021 às 11:40
NOTÍCIA
Fabiano Barros/Rádio Campo Maior AM
FOTO: Fabiano Barros/Rádio Campo Maior AM
Leitura:

Um menino, com 8 anos, chamou a atenção da juíza Kathleen Nicola Kilian, titular da 1ª Vara da Comarca do distrito de Quixeramobim, no interior do Ceará, com uma carta. A criança faz um apelo para que seja retirado o sobrenome do seu pai biológico do seu nome e, no lugar, seja colocado o sobrenome do padrasto

"Senhora juíza, quero pedir encarecidamente que a senhora troque meu nome, que é (...) e quero retirar o sobrenome Sousa, que é o sobrenome do meu pai biológico e eu gostaria muito de usar o sobrenome do meu verdadeiro pai, que é o meu padrasto e ele sim é um pai de verdade pra mim....", escreveu a criança.

Na mesma carta, que foi escrita a lápis, o menino diz o que o motivou a fazer o pedido. "Ele esteve comigo nos momentos bons e ruins. Estou lhe pedindo porque vi no celular a senhora distribuindo cestas básicas para as famílias carentes e isto é um verdadeiro ato de amor ao próximo", finaliza o texto.

A carta da criança, direcionada a juíza, foi entregue pela mãe da criança ao radialista Fabiano Barros, apresentador do programa onde que a criança viu a juíza. O radialista se comoveu com a história, enviou uma foto da carta para a juíza e entregou a carta no Fórum de Quixeramobim. "Ela estava em viagem, parou e ficou bastante alegre e surpresa pelo fato de ter recebido a carta e ainda mais por uma criança ter tido essa sensibilidade. Fotografei a carta, enviei a ela, mas já deixei a original no fórum para ser entregue", disse o comunicador, Fabiano Barros.

Juíza atendeu ao pedido

Um dia depois de receber a carta, a juíza Kathleen Nicola Kilian respondeu à criança com uma carta. O texto agradecia pelo carinho e informa que foi agendado o atendimento da família dele com a família na Defensoria Pública para formalizar perante a Justiça o pedido feito pelo garoto.

"Mantenha sempre seu senso de Justiça, tenha interesse pelos seus direitos e pelos direitos de todos. Estude, seja verdadeiro, sinta, tenha coragem e se comprometa com os seus sonhos... No final do dia, o que faz a diferença é o que nos emocionou e o quanto sensibilizamos as pessoas", diz parte do texto. 

A família do garoto foi atendida pela Defensoria Pública no dia 1º de junho. Na oportunidade, o defensor público Jefferson Leite Dias esclareceu ao garoto que o sobrenome do pai biológico não poderia ser retirado, mas o do padastro poderia ser incluso. O caso vai seguir com os procedimentos para reconhecimento do vínculo para os efeitos legais.

*Com informações do G1

Mais Lidas