descaso

Necropsia de cadáveres é feita ao ar livre por falta de refrigeração no Amapá

Foram encontrados corpos no chão e sistema de refrigeração desligado.

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 26/07/2021 às 11:20
NOTÍCIA
CRM-AP/Divulgação
FOTO: CRM-AP/Divulgação
Leitura:

Durante uma vistoria realizada na última sexta-feira (23), o Conselho Regional de Medicina do Amapá (CRM-AP) constatou que a necropsia de cadáveres realizada na Polícia Técnico-Científica (Politec), no Macapá, está sendo realizada em uma área ao ar livre. 

A fiscalização identificou que a sala onde o procedimento deveria ser feito não possui exaustor de ar fresco para a mesa de autópsia, fazendo o ambiente ficar como um forte odor. A Politec, por sua vez, defendeu que a sala destinada ao serviço "funciona normalmente".

Na parte externa da Politec, foi visto que há duas mesas para a realização da necrópsia. Quando há mais de 2 cadáveres, a sala é utilizada sem o sistema de exaustão. Também foi identificado que as câmaras frias, destinadas a preservação dos corpos, estavam desativadas. Durante a fiscalização, foram vistos dois cadáveres em decomposição no chão. Por meio de nota, o órgão falou sobre uma reforma prevista para o local, mas sem previsão de início. 

Corpo no chão em sala com câmaras frias no Amapá
Corpo no chão em sala com câmaras frias no Amapá
CRM-AP/Divulgação

Confira a íntegra do posicionamento da Politec:

A direção da Polícia Científica do Amapá informa que está na fase final de contratação de uma empresa que realizará reformas no prédio da instituição em Macapá.
Já existe um cronograma de serviços prioritários, como alguns setores que necessitam de um novo sistema elétrico.
Sobre o scaner, o aparelho apresentou problemas e precisa da substituição de peças. A empresa que faz a manutenção encomendou todo o material para o conserto em outro estado e aguarda a chegada.
 
A direção da Polícia Científica também esclarece que a Sala de Necropsia funciona normalmente e possui exaustor de ar para a eliminação de odores.
O diretor da Polícia Cientifica Salatiel Guimarães afirma que está disponível para prestar todas as informações necessárias ao Conselho Regional de Medicina.

*Com informações do G1

Mais Lidas