Economia

Banco Central aprova Pix Saque e Pix Troco; saiba como vai funcionar

Haverá um limite de horário e valor

Bruna Padilha
Bruna Padilha
Publicado em 02/09/2021 às 19:36
NOTÍCIA
Marcello Casal/ JrAgência Brasil
FOTO: Marcello Casal/ JrAgência Brasil
Leitura:

O Banco Central anunciou nesta quinta-feira(2) que a partir de 29 de novembro entra em vigor o Pix Saque e Pix Troco. Ambos vão permitir que os consumidores façam saques em dinheiro via pix em estabelecimentos comerciais, mas haverá um limite de horário e valor. O limite máximo de transação será de R$500 durante o dia e R$ 100 entre as 20 horas e 6 horas. 

O Pix Saque permitirá que todos os clientes de qualquer participante do Pix realizem um saque em um dos pontos que ofertar o serviço e o Pix Troco a dinâmica é idêntica, com a diferença que o saque de recursos em espécie acontece junto com a realização de uma compra no agente de saque. Nesse caso, o Pix é feito pelo valor total (compra + saque). 

“O cidadão passará a contar com mais alternativas disponibilizadas pelo Pix e com mais opções de acesso ao dinheiro físico quando assim o desejar, já que os saques poderão ser feitos em diversos locais (padarias, lojas de departamento, supermercados etc.) e não apenas em caixas eletrônicos.” explicou o Banco Central. 

Nenhum local pode cobrar tarifas ou taxas dos clientes para fazer as transações. Mas o estabelecimento comercial receberá uma tarifa, por transação, que pode variar entre R$ 0,25 e R$0,95, a depender da negociação com a sua instituição de relacionamento.

Como vai funcionar? 

Pix Saque 

Para ter acesso ao dinheiro em espécie, o cliente irá a uma loja de departamento, por exemplo, e faz um pix de R$50 reais para o estabelecimento sem fazer compras no local e o usuário pode retirar esse valor no estabelecimento. 

Pix Troco 

Funcionando de forma parecida com o anterior, o cliente irá ao estabelecimento, faz uma compra de R$20 reais, por exemplo, e envia R$30 reais ao local de compra e receberá R$ 10 reais em espécie.

Confira exemplo:  

Nenhum local pode cobrar tarifas ou taxas dos clientes para fazer as transações
Nenhum local pode cobrar tarifas ou taxas dos clientes para fazer as transações
Foto: Reprodução/Banco Central

Mais Lidas