Trânsito

Veja quais são as reivindicações dos caminhoneiros que estão fazendo paralisações nas estradas brasileiras

Diversos pontos de bloqueio estão sendo registrados pelo país nesta quinta

NE10 Interior NE10 Interior
NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 09/09/2021 às 9:40
NOTÍCIA
Thomaz Silva/Agência Brasil
FOTO: Thomaz Silva/Agência Brasil
Leitura:

Diversas manifestações de caminhoneiros bolsonaristas começaram nessa quarta-feira (8) em rodovias de todo o Brasil. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram registradas paralisações, bloqueios e interdições em Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraná, Maranhão e Rio Grande do Sul. Nesta quinta-feira (9), as paralisações continuam em algumas estradas pernambucanas e de outros estados.

Reivindicações

Em Igarassu, no Grande Recife, de acordo com a PRF, a reivindicação era pelo preço dos combustíveis e implantação do voto impresso nas eleições do próximo ano.

A categoria em geral reivindica que seja zerado o PIS-Cofins, que incide sobre o óleo diesel já em janeiro de 2022. Os profissionais também se manifestam a favor do presidente Jair Bolsonaro e contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) segue acompanhando a movimentação e informou que em algumas estradas o bloqueio é parcial.

Segundo o ministério, os atos não são organizados por entidades setoriais do transporte rodoviário de cargas e a composição das mobilizações é heterogênea. Ainda segundo a pasta, atualmente não há previsão de que os bloqueios nas rodovias afetem o abastecimento de produtos.

A Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística) emitiu uma nota repudiando os bloqueios e afirmou que as paralisações poderão causar sérios transtornos à atividade de transporte realizada pelas empresas, com graves consequências para o abastecimento de estabelecimentos de produção e comércio. De acordo com a entidade, os bloqueios e as eventuais consequências para o abastecimento poderão atingir o consumidor final e o comércio de vários tipos de produtos.

Um dos líderes do movimento intitulado de caminhoneiros patriotas, Francisco Burgardt, disse que vai entregar um documento ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pedindo a destituição de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). "O povo brasileiro não aguenta mais esse momento que País está atravessando através da forma impositiva que STF vem se posicionando. O povo brasileiro está aqui [na Esplanada dos Ministérios] buscando solução e só vamos sair daqui com solução na mão", disse ele em um vídeo que está circulando nas redes sociais.

A paralisação não é unânime entre a categoria. Algumas entidades de caminhoneiros autônomos e que chamam mobilizações a favor de demandas específicas não aderiram aos atos.

Paralisação dos caminhoneiros: saiba quais estradas estão com bloqueios em Pernambuco nesta quinta-feira

A Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), a Associação Nacional de Transporte do Brasil (ANTB), a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens-SP), o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo (Sindicam-SP) e o Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam) informaram que não apoiam a paralisação e não estão participando dos atos, assim como a NTC&Logística.

O presidente da Abrava, Wallace Landim, conhecido como Chorão, afirmou que o movimento é de cunho político com participação de empresários de transporte e seus funcionários celetistas, e não de transportadores autônomos. "Os caminhoneiros estão sendo usados como massa de manobra. Existe um movimento com interesse de empresas e do agronegócio atrás do financiamento desses atos. Está claro que a pauta não é da categoria", disse ele. Segundo Chorão, uma greve geral seria prejudicial aos autônomos.
O diretor da CNTTL, Carlos Alberto Litti Dahmer, disse que viu alguns pontos de manifestações. "Vimos veículos do agronegócio, como tratores e máquinas agrícolas, e a ala de patriotas apoiadores do presidente Bolsonaro. O transportador autônomo vai continuar tentando trabalhar", afirmou.

*Com informações do JC

Mais Lidas