Incomum

Caso raro: Homem descobre que tem sangue U negativo e ajuda a salvar vidas

Antes o cearense tinha o sangue classificado como O positivo

Bruna Padilha
Bruna Padilha
Publicado em 22/09/2021 às 18:08
NOTÍCIA
Eligia Cavalcante/Reprodução/Governo do Ceará
Antes dos médicos descobrirem este raro caso, o tipo sanguíneo de Gildásio era classificado como O+. - FOTO: Eligia Cavalcante/Reprodução/Governo do Ceará
Leitura:

O motorista cearense, Gildásio Costa, de 41 anos, que sempre doou sangue, há quatro anos descobriu que é portador de um tipo de sangue raro, classificado como U negativo. Antes o cearense tinha seu sangue classificado como O positivo.

Em 2017, Gildásio foi convidado para um evento que iria homenagear doadores, quando a médica contou que tinha o sangue raro. A partir desse dia, ele passou a participar de uma lista seleta de pessoas que doam sangue e tem o mesmo tipo que o do motorista.

A diretora do Hemocentro do Ceará, Denise Brunetta, explicou que o atual tipo sanguíneo do homem é muito raro e que em oito anos, apenas 12 pessoas foram encontradas. São cerca de 50 avaliações por dia desde 2013 no local.

Os sangues raros é uma herança dos pais, pois é determinado por um processo hereditário. “Um pai ou uma mãe podem portar um gene heterozigoto, que é o gene anormal. Quando os dois têm genes heterozigotos, há possibilidade de aproximadamente 25% de um filho ter o sangue raro" explica, Denise Brunetta.

Doações

Desde que descobriu o novo tipo, foram cinco doações de acordo com a demanda. Duas vezes para a mesma pessoa em Minas Gerais, que também tem U negativo e precisou por conta de um tratamento de leucemia.

Comentários

Mais Lidas