Polícia

Líder religioso teria incentivado suspeita de matar bebê com golpes de garfo a realizar aborto

Bebê foi jogado em bueiro da cidade

NE10 Interior
NE10 Interior
Publicado em 10/11/2021 às 10:29
Notícia
Reprodução/Via WhatsApp
Bebê foi jogado em bueiro da cidade de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. Casal foi preso pela Polícia Civil - FOTO: Reprodução/Via WhatsApp
Leitura:

Um líder religioso teria incentivado a mulher de 20 anos que tentou matar o próprio filho recém nascido com golpes de garfo no pescoço a fazer um aborto em Caucaia, Fortaleza. A informação foi divulgada nessa terça-feira (9) durante uma entrevista coletiva da Polícia Civil. Segundo a polícia, o homem era casado com outra mulher e não queria assumir a relação extraconjungal e nem a criança.

..

De acordo com o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Harley Filho, e o delegado do 18º Distrito Policial de Caucaia, Regis Pimentel, o homem e a mulher são suspeitos de matar e esconder o corpo do recém-nascido.

O caso começou a ser investigado após a mulher procurar uma unidade hospitalar alegando ter sofrido um aborto espontâneo. No entanto, após ser examinada, os profissionais de saúde identificaram que não se tratava de um aborto espontâneo, mas um método violento. O diretor do DHPP informou que a mulher ingeriu uma pílula abortiva nesse sábado (6) quando estava com oito meses de gestação.

Antes de dar golpes na criança usando um garfo, a mulher teria tentado enforcar o bebê. Após matá-lo, ela teria escondido o corpo em um móvel e, no dia seguinte, o bebê foi colocado em um saco e entregue ao pai da criança, que ficou responsável por deixar o bebê morto em um bueiro da região.

Segundo o portal O Povo, o pastor residia no mesmo local onde mantém uma igreja. O local também acolhe pessoas em situação de vulnerabilidade. A mulher era uma das pessoas que recebia ajuda e eles mantinham um relacionamento amoroso. O homem informou em depoimento o local onde havia escondido o corpo do bebê.

*Com informações do jornal O Povo para a Rede Nordeste.

Comentários

Mais Lidas