Pets

COVID-19: entenda como cachorros podem ajudar a detectar a doença

Estudo com os cães farejadores foi feito na Finlândia

Vinícius Barros
Vinícius Barros
Publicado em 18/05/2022 às 11:19
Foto: Divulgação
Pastor alemão é apontado como o segundo cão mais inteligente do mundo - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Cães farejadores podem conseguir detectar a Covid-19 quase com a mesma eficácia dos testes PCR. É o que aponta pesquisa feita na Finlândia.

Pesquisadores da Universidade de Helsinque divulgaram na revista científica BMJ Global Health, um estudo que mostra que o nível de precisão do olfato dos cachorros foi de 92% quando considerados os testes negativos.

O PCR obtém resultados próximos a 99%.

Cachorros foram submetidos a três fases de teste

A pesquisa teve três fases. Na primeira, os cientistas analisaram com quatro cães farejadores.

A eles, foi pedido para diferenciar amostras da pele de pessoas sem Covid-19 em comparação com outros pacientes já infectados.

Em um segundo momento, foram dadas aos cachorros 114 amostras de pacientes com a doença e outras 306 de pessoas que obtiveram diagnóstico negativo.

A aferição dos resultados mostrou pouca diferença na precisão dos cães. A maioria dos erros estava associada com alguma variante da Covid-19.

Por último, cada um dos cachorros foi conduzido até aeroportos para checagem do vírus. No local, a eficácia na identificação de amostras negativas entre funcionários e passageiros foi de 98,7%.

Faro dos cães

"Os cães podem ser usados tanto em locais de alta prevalência do Sars-CoV-2, como hospitais, quanto em locais de baixa prevalência, como aeroportos ou portos. Isso pode economizar muito tempo e recursos", destacaram os pesquisadores.

O faro dos cães deve seguir sendo alvo do estudo para auxiliar em eventuais novas pandemias devido ao seu baixo custo e pela capacidade olfativa do animal.

 *Quando você compra por meio de links em nosso site, podemos receber comissão de afiliado.

Foto: Divulgação/Universidade de Helsinque
Cães farejadores ajudam na testagem da Covid-19 - FOTO:Foto: Divulgação/Universidade de Helsinque

Mais Lidas