acordo

Julian Assange deixa prisão após acordo com Justiça dos EUA para se declarar culpado por espionagem

Jornalista vai se declarar culpado em audiência marcada para a noite desta terça. Ele ficará oficialmente livre após a sessão pois já cumpriu pena.

Publicado em 25/06/2024 às 10:02
Notícia

O jornalista e ativista Julian Assange deixou a prisão no Reino Unido na última segunda-feira (24), anunciou o WikiLeaks em publicação no X (antigo Twitter). Um vídeo mostra o momento em que ele conversa com pessoas fora da prisão e embarca em um avião no aeroporto de Stansted, em Londres.

"Julian Assange está livre", diz a postagem.

A libertação de Assange se deu após ele firmar acordo com a Justiça dos Estados Unidos se comprometendo a se declarar culpado na acusação de violação da lei de espionagem dos Estados Unidos e de conspirar para obter e divulgar documentos classificados sigilosos pela Defesa do país.

A audiência será realizada às 20h (horário de Brasília) desta terça-feira, nas Ilhas Marianas do Norte. Na sessão, o fundador do WikiLeaks deve ser sentenciado a 62 meses de prisão, tempo que ele já cumpriu no Reino Unido.

Depois da audiência, considerado oficialmente livre e com a pena cumprida, ele deve voltar para a Austrália, de onde é cidadão.

Assange livre

Na noite desta segunda (24), a conta oficial do WikiLeaks anunciou a libertação de Assange. Veja o comunicado na íntegra abaixo.

"Julian Assange está livre. Ele deixou a prisão de segurança máxima de Belmarsh na manhã de 24 de junho, depois de ter passado 1.901 dias lá. Ele recebeu fiança do Supremo Tribunal de Londres e foi libertado no aeroporto de Stansted durante a tarde, onde embarcou em um avião e partiu do Reino Unido.

Este é o resultado de uma campanha global que abrangeu organizadores de base, defensores da liberdade de imprensa, legisladores e líderes de todo o espectro político, até às Nações Unidas. Isto criou espaço para um longo período de negociações com o Departamento de Justiça dos EUA, conduzindo a um acordo que ainda não foi formalmente finalizado. Forneceremos mais informações o mais breve possível.

Depois de mais de cinco anos numa cela de 2x3 metros, isolado 23 horas por dia, ele em breve se reunirá com sua esposa Stella Assange e seus filhos, que só conheceram o pai atrás das grades.

O WikiLeaks publicou histórias inovadoras sobre corrupção governamental e abusos dos direitos humanos, responsabilizando os poderosos pelas suas ações. Como editor-chefe, Julian pagou caro por esses princípios e pelo direito do povo de saber.

Ao regressar à Austrália, agradecemos a todos os que estiveram ao nosso lado, lutaram por nós e permaneceram totalmente empenhados na luta pela sua liberdade.

A liberdade de Julian é a nossa liberdade".

Acusações de Julian Assange

O ativista e jornalista Julian Assange vazou 700 mil documentos confidenciais naquele que foi considerado o maior vazamento de informações da história dos Estados Unidos.

As páginas mostravam ações norte-americanas principalmente no Afeganistão e no Iraque. Um dos materiais era um vídeo que exibia soldados norte-americanos em um helicóptero executando 18 civis no Iraque.

Também há materiais que mostram assassinatos de civis, entre eles jornalistas, e abusos cometidos por autoridades dos EUA e outros países.

Os Estados Unidos afirmam que o vazamento coloca em risco a vida dos militares envolvidos nos materiais vazados.

Lula comemorou

Grande defensor de Julian Assange, o presidente Lula usou as redes sociais para comemorar a libertação do ativista. O mandatário brasileiro frequentemente fazia apelos públicos pelo jornalista.

"O mundo está um pouco melhor e menos injusto hoje. Julian Assange está livre depois de 1.901 dias preso. Sua libertação e retorno para casa, ainda que tardiamente, representam uma vitória democrática e da luta pela liberdade de imprensa", escreveu Lula na manhã desta terça-feira (25).

Tags

Autor