Política

Maia pede que Bolsonaro adie provas do Enem por causa da pandemia

Provas estão marcadas para novembro de 2020

Agência Brasil Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 15/05/2020 às 8:39
NOTÍCIA
Marcelo Camargo/Agência Brasil
FOTO: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leitura:

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, informou nessa quinta-feira (14) que pediu ao presidente Jair Bolsonaro o adiamento da aplicação de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, em virtude da pandemia do novo coronavírus.

“Um pleito importante que eu fiz ao presidente, e ele ficou de avaliar, disse que é muito importante e que havia uma demanda muito grande da Câmara, é o adiamento do Enem. Ele ficou muito sensível, ficou de avaliar e dar uma resposta”, disse Maia. O parlamentar esteve no Palácio do Planalto para conhecer o Centro de Coordenação das Operações do Comitê de Crise da Covid-19 (Ccop) a convite dos ministros Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, e Braga Netto, da Casa Civil.

Os estudantes têm até 22 de maio para se inscrever no exame, cujas provas, neste ano, poderão ser feitas também online. O Enem impresso será aplicado nos dias 1º e 8 de novembro e a versão digital, em 22 e 29 de novembro. No entanto, alunos de todo país têm relatado, nas redes sociais, dificuldades de acesso à internet e problemas para estudar o conteúdo do exame.

Com a confirmação da data de aplicação do exame pelo governo, deputados e senadores têm apresentado propostas para que as provas sejam adiadas. Na Câmara, líderes partidários têm pressionado o presidente da Casa para construir alternativas que assegurem que alunos não sejam prejudicados em virtude da pandemia. Entre as propostas, propõe o adiamento da aplicação da prova por 60 dias.

Em entrevista coletiva, Rodrigo Maia defendeu o diálogo entre o governo e Câmara dos Deputados para enfrentar a crise em saúde pública provocada pela pandemia. “Eu disse a ele [Jair Bolsonaro] que devemos encontrar os pontos que nos unem, que todos temos o mesmo objetivo, que é cuidar da vida dos brasileiros e olhar o pós-pandemia”, afirmou o deputado.  “Divergimos sobre a questão do isolamento, mas isso não pode nos dividir. [É] importante que todos possam voltar a sentar à mesa”, disse Maia.

“Os conflitos geram insegurança e a perda da confiança da sociedade, neste momento em que os que têm responsabilidade do diálogo estão confrontando. O meu papel institucional é levar ao presidente a pauta da Câmara e mostrar o que estamos fazendo. Temos a divergência do momento do isolamento, mas isso não pode nos dividir”, acrescentou o congressista.

Maia afirmou ainda que as reformas administrativa e tributária voltarão à pauta de votações da Câmara dos Deputados nas próximas semanas. Segundo Maia, a reforma administrativa deverá ter outro tamanho e a tributária poderá incluir outros temas, como a renda, além da reforma no setor de bens e serviços.

Mais Lidas