menu

Idosa é enterrada por outra família por engano após troca de corpos no HRA em Caruaru

Neto foi reconhecer o corpo no necrotério e percebeu que não era a avó dele

A vítima foi transferida para o Hospital Regional do Agreste (HRA), em Caruaru, mas não resistiu
Idosa é enterrada por outra família por engano após troca de corpos no HRA em Caruaru (Foto: Secretaria Estadual de Saúde)

Uma idosa de 96 anos faleceu nessa segunda-feira (30) no Hospital Regional do Agreste (HRA), em Caruaru, no Agreste pernambucano, e acabou sendo enterrada por outra família por engano. De acordo com os familiares, Dona Angelita Petrolina de Carvalho não faleceu por coronavírus, mas foi enterrada por engano às pressas no Cemitério Dom Bosco por uma outra família.

Quando o neto de Angelita foi ao necrotério reconhecer o corpo, percebeu que não era a avó dele e sim uma mulher que faleceu um dia antes. Segundo o neto, a outra idosa teria morrido com suspeita de coronavírus e, por isso, precisou ser enterrada com urgência.

Os familiares de Angelita conversaram com a família da outra idosa, que disse que só iria retirar o corpo depois de decisão judicial.

A direção do Hospital Regional do Agreste (HRA), informou, através de nota, que lamenta o ocorrido e disse que a situação está sendo apurada a partir de uma sindicância para detectar as falhas, apontar os culpados e evitar que situações como essa aconteçam novamente. Ainda na nota, a direção disse que está a disposição dos familiares e das autoridades para os devidos esclarecimentos.

De acordo com o HRA, as medidas legais para solucionar a situação estão sendo encaminhadas.

Idosa é enterrada por outra família por engano após troca de corpos no HRA

  • 30/06/2020 16:27
Uma idosa de 96 anos faleceu nessa segunda-feira (30) no Hospital Regional do Agreste (HRA), em Caruaru, no Agreste pernambucano, e acabou sendo enterrada por outra família por engano.

Família enterra idosa e descobre que corpo foi trocado em Palmares

Duas idosas com o mesmo nome, Helena Maria da Silva, morreram no Hospital Regional de Palmares, na Zona da Mata Sul, vítimas de síndrome respiratória. Porém, após o enterro de uma delas, no distrito de Cruzes, em Panelas, no Agreste, a família recebeu uma ligação de que o corpo da parente ainda estava no hospital. Foi quando a confusão foi descoberta: os corpos tinham sido trocados.

Em vez de enterrar o corpo de Helena de Panelas, de 74 anos, a família havia enterrado o corpo da outra Helena, que morava em Cortês, na Zona da Mata, e tinha 87 anos. Como havia a suspeita do novo coronavírus em uma das pacientes, o caixão foi fechado e os parentes não puderam fazer o velório. Só depois descobriram que o corpo foi trocado.